sábado, 22 de agosto de 2009

Companheira

Quando fico muito tempo na rede, olhando prum livro, ela pula pra dentro da rede e deita onde for menos quente. Quando mudo de um cômodo pra outro na casa, ela vem atrás (não há muitas portas dentro da casa, e todas sempre estão abertas). Quando fico um tempo sem vê-la, vou à sua procura e vice-versa. Quando converso com ela, ela responde miando. Quando ela deita comigo, sempre encosta uma patinha em mim. Quando lhe ofereço a cordinha ou a bolinha de tênis, ela brinca e se enrola no tapete que pus pra ela (sozinha, ela não interessa por nenhum dos objetos). Quando ponho comida em seu potinho, ela só come quando me ouvir mastigando também (a minha comida, não a dela). Quando faço os meus exercícios de yoga, ela assiste. Mas antes afunda as garras na minha manta, se roça na minha perna, deita na manta e se enrola nela e por fim deita nas minhas costas quando estou na posição da vela:

Sorte que saiu quando eu estava contando o terceiro minuto, senão teria medo de esmagá-la ao descer as pernas.

Lembrei do Tatit:

...
Sempre ao meu lado
Não se afastava um segundo
Uma companheira
Que ia fundo
Onde eu ia
Ela ia
Onde eu olhava
Ela estava
Quando eu ria
Ela ria
Não falhava
...
De repente a vida ganhou sentido
Companheira assim nunca tinha tido
O que pinta sempre é uma coisa estranha
É companheira que não acompanha

3 comentários:

Mônica disse...

Lou, fico feliz em ver que vcs duas já estão tão companheiras.

E vc é caprichosa, hein? Onde aprendeu a fazer cestaria?

Parabéns!

Juliana disse...

Eu tô fã da gatinha!
Acho que vou arrumar uma para mim tb!
bj

iglou disse...

Hehehe.
Aprendi fazendo.