domingo, 30 de outubro de 2011

Muita manga massa

Quilos e quilos de manga massa
No começo, tentavam arrancar as mangas jogando coisas nelas. Era um bombardeio de pedras, paus e outros entulhos achados na rua. Depois os meninos aprenderam a subir no muro. Me viam, saíam correndo e gritando: "Obrigado, tia!" Daí passaram a pedir. Alguns vinham com sacolinha, outros vinham em bando.

Ontem recolhi muito mais manga massa do que fui capaz de armazenar. Levei duas sacolas pra Reitoria. Os estudantes ficaram felizes.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Um susto atrás do outro

Marcelo e eu saímos de casa cedo, pra resolver um assunto no centro. O trânsito na BR estava lento. Entrei numa rua que eu costumava usar quando a Jatuarana cruzava a BR. O carro que vinha na BR atrás de mim me seguiu. No cruzamento da segunda quadra, ignorei a placa PARE. Vi uma caminhonete vindo em alta velocidade. Acelerei. Ela freou. Colidimos. O carro rodou.

Saí pra respirar e tentar entender o que tinha acontecido. As duas portas da lateral direita estavam amassadas. Vidros quebrados. Marcelo saiu pela porta do motorista. A mulher no carro atrás de mim quis ver os meus documentos. Era sargento e adiantou o processo, chamando a polícia.

A moradora da casa na outra esquina me trouxe um copo de água, o cara da caminhonete disse que errou. Errei também. Eu, que acho que entendo de trânsito, que falo de direção defensiva, que digo que sei ler o trânsito, bati o carro. Botei em risco a vida do Marcelo.

Quando a polícia veio, percebi que havia placas PARE em três esquinas, sendo que nenhum de nós estava na preferencial.

De tarde, fomos na Reitoria. A primeira notícia era que o gabinete de crise enviado pelo MEC tinha ido embora. O rumor era que tinham sido mandados embora pelo Comando de Greve.

Logo em seguida chegou a vice-reitora, comunicando que o Reitor tinha entrado em férias por 15 dias e que a partir de amanhã ela estava no exercício da função de reitor.

Durante a reunião, foi esclarecido que a comissão do MEC tinha ido por conta própria, depois de longas reuniões com representantes de todas as partes: professores, alunos e pró-reitores. Voltariam.

Toca o telefone da vice-reitora e ela informa que o pedido de férias do reitor tinha sido cancelado. No entanto, ele estava se deslocando para um reunião com outros reitores, para pedir que o apoiassem.

sábado, 22 de outubro de 2011

Reitoria em falência

Primeiro cortaram o fornecimento de energia. Daí descobriram que não adiantava religar, porque o transformador estava condenado. A solução era o gerador. O gerador pifou. Foi consertado, mas diesel custa e não dura muito.

Anteontem cortaram a água.
 
MacGiver desfez o corte e a água voltou.

Hoje de tarde, depois que a Polícia Federal tinha ido embora após tentativa frustrada de negociação da reintegração de posse, vieram dois policiais à paisana. Um tomou a máquina fotográfica do prof. Narcísio, outro levou o prof. Valdir preso.

A janta de hoje na Reitoria foi arroz com ovo.

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Professor preso




Não, a greve ainda não acabou. Sim, a Reitoria segue ocupada. Oxalá saiamos em rede nacional, depois de um mês e uma semana em greve.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Zero a zero

Sabe quando o seu time vai jogar e você não consegue acompanhar a partida? Você fica torcendo, achando que o seu time está mais bem preparado que o outro. Você fica atento aos fogos de artifício, gritos e comemorações - que não vêm. Você olha no relógio, calcula que já estejam nos pênaltis, mas continua escutando silêncio.

Ontem aconteceu a tão esperada audiência no SESu/MEC. A reunião foi longa e as notícias demoraram a chegar. O momento mágico - que podia ser tanto a renúncia do reitor, sua exoneração sumária ou o seu afastamento (que é o que estávamos pedindo) - não aconteceu. O reitor continua no exercício da função enquanto é investigado. E as investigações serão in loco. O secretário vem na segunda-feira para averiguar as denúncias.

Durante essa semana que passamos na Reitoria, o campus foi remodelado. Lâmpadas foram instaladas, lajotas foram colocadas, enfim, o abandono foi maquiado. Ainda bem que temos fotos do antes e depois. O que não deu pra fazer nessa semana de Reitoria ocupada são as salas de aula, os gabinetes de professor, os laboratórios, o hospital universitário, o restaurante universitário, a moradia estudantil, as quadras, piscinas, teatro etc.

Placar: a greve continua, a Reitoria segue ocupada, o reitor ainda não saiu. A final foi protelada.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

domingo, 9 de outubro de 2011

Pausa pra respirar

Praias no Madeira
Não passei o sábado na Reitoria. Não dormi em horários esquisitos. Não tive medo que a polícia invadisse a Reitoria ocupada pelos alunos. Depois do terror dos boatos na sexta, um sábado pra voltar a ser eu mesma.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Estranho

Ontem dei uma olhada no saldo de visualizações no dia dos blogs. O blog do Comando de Greve Unir somava 277 visualizações - o que é pouco, já que a média é 400. O meu, que quando muito, atinge a marca dos 170, totalizava 274 visualizações. E isso depois de ficar dois dias sem postar nada. Como que o meu blog parado é tão interessante quanto o blog do Comando de Greve?
Acho que vou ser perseguida. Na boa, isso não é normal.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Terceira semana

Na quarta-feira, dia 05, completamos três semanas de greve. E a greve vem crescendo.

Semana passada o ANDES veio, interceder e intermediar na complicada assembleia extraordinária convocada pela ADUNIR (nosso sindicato - que é contra a greve. Parece piada, mas é verdade). Hoje tivemos uma reunião importante com o deputado federal Mauro Nazif, para pedir que sejam convocadas audiências com o MEC, CGU, TCU e outras siglas. Ele achava que os nossos problemas de falta de infraestrutura eram decorrentes de falta de verba. Verba a Unir tem, mas some. Projetos existem, mas o dinheiro é desviado. Nosso problema não é dinheiro, mas a administração do dinheiro.

Estamos trabalhando mais que em período de aulas. Temos reunião permanente, nos vemos sempre, conversamos muito e ampliamos o grupo, os exemplos de desmandos na Unir e as ideias de como prosseguir.