sábado, 27 de setembro de 2014

Abre-te, gergelim

Luis tinha jogado gergelim e chia num vaso. Foi crescendo uma planta que não sabíamos o que era. Aí ela formou flores brancas e essas cápsulas que se mantiveram verdes e fechadas durante um mês, aproximadamente.
Gradativamente as cápsulas foram secando (a temperatura média em Porto Velho é de 30º). Ajudei uma a se abrir e vi que cada cápsula era formada por quatro corredores de onde iam saindo os gergelins.
Não contei quantos saíram dessas cavernas, mas não me surpreenderia se fossem 40...

sábado, 20 de setembro de 2014

Ingá

Fui na feira e perguntei pro moço da banca de produtos orgânicos:

- Quanto é o ingá?
- Um é dois, dois é três.
- Me dê um, por favor.
- Pode escolher, patroa.
- Não sei escolher ingá.
- Então leve esses dois. E Deus lhe abençoe.
Eu nunca tinha comido ingá. Gostei.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Tudo bem, sem problema

O telefone toca de manhã, eu atendo. Uma voz embolada me diz:
- Desculpe, mas não posso hoje de manhã. Ontem eu me estressei muito, aí eu tomei um remedinho e não consegui levantar ainda. Podemos marcar pra hoje de tarde, se não for muito incômodo?
- Tudo bem, sem problema.

Horas mais tarde, vou ao restaurante e sento numa mesa perto da janela. Chega uma família com uma menina pequena, de 3 anos aproximadamente, fazendo birra. Pai e mãe instalam-se na mesa ao meu lado, a menina fica no meio do caminho, de costas para os pais. O pai conversa, chama a menina para a mesa. Ela vai sendo conduzida para a mesa a contragosto, reclamando que a cadeira é dura. A menina ajoelha na cadeira, deita a cabeça em cima da mesa e esconde o rosto. O pai suspira e pergunta se ela quer que ele busque a cadeira dela. Vira-se para mim e pergunta:
- Você se importa de trocar essa cadeira aí ao seu lado por essa daqui? É que a gente sempre senta nessa mesa e ela acha que essa cadeira aí do seu lado é mais macia.
-Tudo bem, sem problema.

domingo, 14 de setembro de 2014

Nosso jardim suspenso

Vista para fora da nossa sacada

"The constant gardner"

Meu jardineiro fiel

Feijão azuki e jambu

Nossa primeira colheita de feijão!

Pimentas que ganhamos de espólio da Fran

sábado, 13 de setembro de 2014

Memória compartilhada

Tenho a impressão que conheci melhor meu sogro depois que ele faleceu. Pessoas que o conheceram 30 anos atrás compartilharam estórias vividas (com ele) em suas infâncias. A impressão que eu tinha do meu sogro foi ampliada: não lembro dele apenas no passado recente, mas imagino como ele foi no passado remoto. Todas as memórias dele, vividas ou construídas, foram trazidas ao presente.


sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Labirintos UNíRicos*

L foi na DGP para pedir um estagiário para auxiliá-la nas tarefas administrativas do PIBID. L foi orientada a fazer a solicitação de estagiário na PRAD ou PROPLAN e foi explicado a ela que se a PRAD ou PROPLAN aprovassem o pedido, ela receberia currículos de candidatos a estagiário, dentre os quais ela poderia escolher um - que seria então contratado pela DGP.

L escreveu e enviou o mesmo memorando para a PRAD e para a PROPLAN. Da PROPLAN não recebeu resposta, da PRAD recebeu um e-mail encaminhado para a DPI, pedindo ao responsável que verificasse se havia orçamento para esse tipo de programas (PIBID). L aguardou. Veio resposta da DPI diretamente para L. Não havia orçamento de estagiário para o PIBID, e que, para esclarecer quaisquer dúvidas, L deveria dirigir-se ao coordenador geral do PIBID.

L respondeu que é a coordenadora geral do PIBID.

Caminho sem saída.

L escolheu outra via: pegou o telefone, ligou para o gabinete da PROPLAN e explicou sua demanda de estagiário. Foi orientada a reenviar o memorando solicitando estagiário e assim o fez. Esperou. Nada aconteceu. Pensou que tivesse entrado em outra rota sem saída. Ligou novamente para a PROPLAN e ouviu como resposta que o despacho já tinha seguido para a DGP havia duas semanas.

L encaminhou-se para a DGP, mas não havia ninguém lá. O estagiário da DGP lembrou do caso e mostrou a L o seu memorando com o despacho da PROPLAN anexado. Segundo o estagiário, assim que as responsáveis na DGP voltassem de viagem, o trâmite seguiria seu curso normal.

Nada aconteceu nas duas semanas seguintes.

L regressou à DGP e perguntou quando lhe ofereceriam diversos currículos de candidatos para que ela escolhesse um estagiário. A resposta foi desconcertante: a estagiária já tinha sido contratada e já estava trabalhando. No NUCSA. Foi sugerido a L que fosse ao NUCSA para negociar a estagiária contratada com o coordenador de projeto de pesquisa.

Pressentindo que o caminho até o NUCSA significaria um beco sem saída desgastante, L foi ao gabinete da PROPLAN, expor a situação. Caminhou com o pró-reitor até a PRAD, onde estava encalhado o processo de contratação da estagiária. A pró-reitora explicou a L que a estagiária ainda não tinha sido contratada, já que havia problemas no processo: o PIBID está subordinado à PROGRAD, não ao NUCSA. A pró-reitora pegou o telefone e ligou para a DGP. Foi combinado que L passaria na DGP para decidir se aceitava a estagiária.

L foi dar sua aula de sexta à tarde. Na sala, encontrava-se a estagiária. L perguntou a ela se concordava em estagiar no PIBID. Sim. Foi à DGP e avisou que aceita que sua aluna seja contratada como estagiária do PIBID.


* Por mais que "UNíRicos" remeta a sentimentos diáfanos e tranquilizadores, e por mais que essa história não tenha nada de onírica e se assemelhe mais a um pesadelo, não pude deixar de gostar do trocadilho.