quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Gripe na gravidez

Devo ter pego essa gripe no avião, no ônibus ou em Campinas, onde passamos dois dias na casa do irmão do Luis.

Natal e Ano Novo era a minha última oportunidade de viajar de avião antes dos 7 ou 8 meses, quando as companhias aéreas temem parto prematuro no avião. E a gente queria passar com a família, mostrar a barriga, comemorar a pequena menina que vem em abril.

No primeiro dia em que acordei em Belo Horizonte, na casa das tias do Luis, senti forte dor de garganta e tive febre. Quando informei que estava sentindo os gânglios na altura dos ouvidos, Luis entrou em estado de alerta por causa do Zika virus. Quis me levar ao hospital todos os dias; conseguiu em Gramado, onde o médico diagnosticou sinusite e receitou "antibiótico que grávida pode tomar", mas a bula não transmite essa segurança toda.

Até chegarmos em Gramado, passamos quase uma semana no apartamento das tias em Belo Horizonte. Todos foram pro sítio, inclusive uma das nossas anfitriãs, e nós ficamos no apartamento, olhando o céu nublado. Nariz escorrendo, febre que ia e voltava, muitos espirros, depois tosse. Assim embarcamos na longa viagem até Gramado. No avião, tive muita dor na sobrancelha na hora do pouso e quando assoei o nariz, saiu sangue.

Que férias. Na última vez que estive no Sul Maravilha, em julho, pro GEL, também peguei uma gripe forte. Naquela vez, ela evoluiu devagar e demorou a sarar. Dessa vez, usamos de várias armas: limão com mel, xarope de guaco, extrato de própolis, nebulizador com soro fisiológico, antibiótico e óleo de copaíba nas costas. As fases da gripe estão passando mais rapidamente, mas Luis já está com o nariz escorrendo...


Primeira festa em casa

Taís, João, Papagaio, Luis, Narcísio e Walisson
Um dia antes de viajar, fizemos uma confraternização em casa com os poucos que ainda estavam em Porto Velho. Foi a primeira vez que chamamos pessoas pra nossa casa que demorou tanto tempo para ficar habitável. Durante muito tempo tivemos eletricista, marceneiro, encanador, limpador de forro, chaveiro e outros consertando/instalando coisas na casa. E Luis pelejou bastante pra conquistar a casa e retirar um pouco do poder das ervas daninhas e animais que tomavam conta da casa que tinha ficado fechada uns meses antes de entrarmos.
Heloisa e Narcísio
Eu tinha feito chutney de manga com as mangas (manga massa) que a nossa mangueira nos dá, achando que seria o maior sucesso, mas as folhinhas roxas na salada que a a gente tinha comprado na feira (e nem lembra o nome) chamaram muito mais atenção que o chutney ou a minha salada de batata da Dona Fine que todas as mulheres da comunidade da Capela de Vila Campo Grande preparavam na véspera da festa anual.
Foto: Luis
Acho que aqui dá pra ver a minha barriga de 5 meses. Foto: Luis
Inauguramos a casa um dia antes de viajar. E foi nesse dia que alguns colegas (por exemplo Heloísa e Narcísio) me viram grávida pela primeira vez. Pois é, a UNIR não é necessariamente um ponto de encontro...

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

A defesa de TCC da Rafaela

Foto: Sebastião. Minha barriga nem está aparecendo...
Hoje, 14 de dezembro de 2015, foi a defesa do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) da Rafaela. O curso de Letras - Português ainda não formou nenhuma turma de TCC, por isso eu fiz o que a UNIR chama de "acompanhamento especial". Foi minha primeira experiência de orientação. Ver a Rafaela falando com desenvoltura para a banca examinadora (Geane Klein e Agripino Fonsêca) foi bastante gratificante. Mostra como ela mergulhou fundo e domina as questões que ela estudou e como o entendimento da linguagem amadureceu.

No primeiro semestre de 2015, quando eu estava ministrando uma disciplina chamada "Introdução às Ciências do Léxico", Rafaela me pediu que eu a orientasse. Pensei logo numa gravação que eu tinha de sujeitos afásicos respondendo a um teste de nomeação. Eram dados que eu não tinha analisado, mas que prometiam análises interessantes: ao ver a figura de uma pirâmide, um sujeito diz "múmia". Percebe que não é a palavra-alvo, reformula e diz "esfinge". Tentamos ajudar, fornecendo um contexto sintático: "eu vou no Egito, visitar as ... ?" A resposta é uma aventura em termos de redes semânticas: "Cataratas!"

Rafaela animou, escolheu bem os dados, leu os textos da Neurolinguística, da Lexicologia e Linguística Cognitiva, analisou os dados com o ferramental teórico disponível e foi apresentar o trabalho dela num congresso de Semântica Cognitiva. No período em que estive de repouso por causa da gravidez de risco, ela foi a primeira a me visitar em casa (e trabalhar no texto: tanto para publicação nos anais do congresso como para o TCC).

Não tivemos qualquer problema com a escolha dos membros da banca, pelo contrário, foram muito solícitos e logo responderam entusiasmados que tinham lido e aprovado o trabalho. A defesa hoje consistiu na apresentação da Rafaela e uma chuva de elogios e agradecimentos. Fico muito feliz de encerrar o ano letivo assim.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

É menina!

Na última vez que eu fui fazer ultrassom, o bebê estava de perna cruzada. Não deu pra ver se era menino ou menina, mas a suspeita era de que fosse menina.

Pra saber, sugeriram que eu fizesse a simpatia do garfo e da colher (tipo tirar o palito mais curto. Garfo é menino, colher é menina), que eu atentasse para o formato da barriga (pontuda é menino, redonda e espalhada é menina), que eu pensasse "é menina?" e colocasse a mão na barriga: se mexesse, é porque é; por fim, sugeriram que eu fosse no Dr. Eudes, "porque o Dr. Eudes não erra".

Fui no Dr. Eudes. Depois de me cumprimentar, perguntou se eu já sabia o que era. Respondi que não tinha certeza. A primeira coisa que ele procurou foi o meio das pernas do bebê. "É uma gatinha!!! Olha, se sair menino, eu pago os estudos até o fim da faculdade."

O mais legal ainda é ouvir o coração batendo forte. Dessa vez deu pra ver o rosto, a boca abrindo e fechando, as mãozinhas se mexendo. Como diz o Luis, hoje a nossa filha teve o primeiro check-up completo: tronco, membros, rins, fígado, estômago, coração, crânio e cérebro foram medidos e avaliados. Segundo o veredito, tudo está na mais perfeita normalidade.