segunda-feira, 30 de junho de 2014

As fotos do Photoshop

Graças à boa vontade da minha mãe (que tem Photoshop e sabe usar), recupero e compartilho as fotos que fiz em La Paz. Nesta ruela colorida há vários museus e lojas de artesanato.
Pico do Ilimani. Disseram que o Chacaltaya (mais de 5.000m de altitude), que subimos em 1992, não tem mais neve no topo.
 
 A ida para o centro se mostrou mais rápida a pé...

domingo, 29 de junho de 2014

Passear: uma questão de perspectiva

Para o meu marido (nascido no Peru e filho de peruano), "passear" não significa admirar paisagens, mas saborear comidas tradicionais, especialmente quando se trata de comida andina.
Sopa de pollo com batata desidratada (a preta) no café da manhã
Quando eu fui "passear" por La Paz, tirei fotos das vielas com lojas de artesanato coloridas, museus e centros culturais, das avenidas abarrotadas de carros asiáticos velhos, micro-ônibus enfeitados e pessoas costurando pelos espaços vazios.
Saltenha se come de manhã
Tirei fotos decentes do Ilimani, fotos noturnas da cidade vertical (acho que preciso explicar: La Paz fica numa cratera povoada de cima a baixo. De noite, quem está no centro, vê as luzes da cidade envolvendo a cidade) e do teleférico.
Mercado Lansa
Quando fui ver as fotos que eu tirei, tive uma surpresa desagradavelmente amarga: todas estavam num formato esquisito (srw) que nenhum dos programas que tenho no computador consegue ler. Ficamos, pois, com as imagens do passeio gastronômico.
Meu mate (chá) de coca.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Em La Paz

Ilimani no horizonte
Dia 26 foi o dia de apresentar trechos do que será o nosso filme coletivo "O silêncio do Madeira". Carlos e Rodrigo se esforçaram muito para terminar o "Relatos de Torrentes & Caudales" a tempo de exibi-lo durante a cerimônia de Paraninfo em que Luis fez uma fala brilhante sobre ciência, desenvolvimento e as usinas fio d'água nos rios amazônicos. A comoção gerada pela fala dele foi tal que não houve espaço nem ocasião para a exibição do filme.

No dia seguinte, no âmbito do evento Megaprojetos nos rios amazônicos, ambos os filmes encontraram seu público. O filme deles tinha 25 minutos, o nosso, que ainda está em processo, tem 9 - e os dois se mostraram complementares.

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Tempo e fuso

Luis e eu saímos de Porto Velho de noite rumo a Rio Branco. Como a balsa estava na mesma margem que nós, a viagem de ônibus só demorou 8 horas. Entre Jacy-Paraná e Abunã quase não havia asfalto (que se dissolveu com a cheia) e logo depois de atravessar o Madeira de balsa igualmente havia pouca aderência das rodas à brita que jogaram na via para atenuar o lamaçal.

Ainda estava escuro quando entramos no táxi que nos levaria à divisa com a Bolívia. Os nossos relógios marcavam 6:00, mas no Acre o fuso é diferente. O taxista relatou a peleja que foi fixar um terceiro fuso no Brasil, porque afinal de contas o sol somente desponta quando Rondônia marca 7:00, já que o Acre está situado mais a oeste que Rondônia.

Na divisa (Epitaciolândia), fomos deixados na Polícia Federal poucos minutos antes do estabelecimento abrir (às 8:00, que no meu relógio eram 9:00). Atravessamos a ponte (que mais parece um portal), entramos em Cobija e regressamos ao horário de Rondônia. Isso mesmo: quando são 8:00 em Brasília, são 7:00 em Rondônia, 6:00 no Acre e 7:00 de novo na Bolívia.

Em La Paz o dia começa depois das 7:30. Às 7:00 ainda estava escuro e não havia viv'alma na rua. Às 7:30 vi telhados brancos e uma pessoa caminhando na rua. 15 minutos depois ouvi carros, depois crianças entrando na escola. Então começaram as buzinas, sirenes, alarmes que seguem até o sol se por. As temperaturas aqui variam entre 1ºC e 13ºC. Estamos no mesmo fuso que Porto Velho, mas num clima completamente diferente.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Manifestações durante a Copa

No primeiro jogo da Copa, a Croácia jogou contra a FIFA, não contra o Brasil:
  • o único gol dos croatas foi anulado em virtude de uma falta no mínimo polêmica, 
  • a cotovelada de Neymar foi punida com cartão amarelo e não expulsão, 
  • todos concordam que Fred não sofreu falta, portanto não merecia pênalti, mas cartão amarelo pela dissimulação.

No Jornal Nacional, Galvão Bueno disse que o pênalti não alteraria o resultado final que era a vitória do Brasil. A edição de ontem do Jornal Nacional foi, exceto pelo boletim do tempo, unicamente dedicada à Copa. Não foi apresentada outra notícia além de novelinhas ligadas ao futebol.

E as manifestações? E o "não vai ter Copa?" A Globo não mostrou nada. Não é que não teve: teve muito pouco em comparação com a Copa das Confederações do ano passado.

Os croatas depredaram o vestiário depois do jogo. Os croatas agora são vândalos, arrauceiros, baderneiros, Black Bloks? Os jogadores da Croácia foram injustiçados e jogaram um jogo comprado, apitado por um juiz vendido. A Globo não mostrou, portanto não existiu.
Imagem encontrada na Carta Capital
No finalzinho da abertura da Copa, o curumim, uma das 3 crianças que soltou pombas brancas do meio do campo de futebol, ao retirar-se campo, abriu uma faixa exigindo demarcação das terras indígenas. A televisão não mostrou essa cena. As manifestações estão acontecendo dentro do estádio - e a grande mídia não mostra.

Neste momento, os mexicanos estão jogando contra Camarões. A estimativa é de que o México seja um adversário mais ameaçador ao Brasil que os Camarões. A falta que rendeu a Neymar um cartão amarelo se repetiu nesse jogo e foi considerada como mera falta (e quem levou a cotovelada foi um mexicano). Dois gols (!) dos mexicanos foram injustamente - e a narração do jogo concorda que o juiz não fez jus ao ofício - anulados por causa de um impedimento que não existiu.

Se eu fosse a consciência dos jogadores mexicanos, não voltava do intervalo para o campo. Se a massa do povo não está nas ruas para se manifestar contra a ilusão que é essa Copa, espero que os jogadores que perdem do Brasil, da Fifa e dos juízes se manifestem.

Atualização: os mexicanos ganharam. Assim como os brasileiros ganharam ontem. Será que o placar influencia na disposição para se manifestar?