quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Meninos machos

O casal de quero-queros que habita a área comum dessas bandas de cá conseguiu trazer ao mundo um filhote. Luis e eu comemoramos o fato, dois dos guardas que fazem a ronda de moto pelo condomínio também. Mas de tarde vimos o filho do vizinho tentando pegar o filhote. Luis estava com a Agnes no colo quando viu. Saí de casa em direção ao menino sem pensar no que dizer. Parei na altura dele, ele parou. Levantou e saiu duro, sem olhar pra lado nenhum.

*   *   *

Depois da chuva, fui passear com Agnes no sling. Quando passei pela quadra, fiquei horrorizada com o que vi e ouvi. Uns oito adolescentes com a bola de basquete vociferavam palavrões e faziam gestos obscenos uns para os outros. Se Agnes quisesse aprender palavrões (e diversos usos) relacionados ao pênis e ânus, aquela era a melhor ocasião.

*   *   *

Luis anda ouvindo podcasts da Rita Laura Segato sobre feminicídio (causar a morte de mulheres) e estupros. Segundo a professora, o estupro (principalmente o coletivo) tem menos a ver com prazer sexual e mais a ver com autoafirmação diante dos outros machos. Quanto mais jovem o estuprador, mais cruel é o ato, porque mais ele precisa ser aceito como macho pelos outros.

*   *   *

Por um lado tenho pena da Agnes ter tão pouca interação com outras pessoas. Por outro, temo jogá-la aos leões. Ainda mais quando se trata dos moradores de condomínio. Percebo que são crianças cujos pais trabalham muito e pouco acompanham os filhos. É como se as crianças se espelhassem umas nas outras, sem desenvolver a capacidade de se ver de fora. Onde estão os pais do menino que não sabe valorizar o filhote recém-nascido? Onde estão os pais dos meninos que se destratam em alto e bom som? Esses meninos não precisam de pais, eles se bastam enquanto bando.

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Ah sim, independente

Agnes pensa que desmamou. O que ela não sabe é que dou de mamar depois que ela adormece. Então ela continua mamando - mas não percebe. Porque quando ela vê o meu peito, ela quer morder e apertar. E isso dói. Deixa ela achar que desmamou.

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Começou a temporada

 O pé de manga massa está nos oferecendo algumas mangas por dia. Agnes gosta delas geladinhas.


domingo, 6 de novembro de 2016

Os brinquedos da Agnes


Eu não tive patinho na minha infância, então quis dar um pra ela. Mas ele se transformou de ontem pra hoje.
Também não tive bonecas de plástico. Talvez também não tenha tido chupetas. Agora Agnes não precisa mais de chupeta, afinal ela tem dois dedos que estão sempre aí e não caem no chão.

O sapinho é muito duro e fazia musiquinhas e sons eletrônicos. Tiramos as pilhas e Luis vestiu o vestido da boneca. O cachorrinho roxo acompanhava a boneca.

O cavalo sempre foi muito grande pra Agnes, então ele vivia desmembrado. Agora deu uma completada em cada parte.

Desmame ou greve de peito

Bem uma semana atrás, para marcar o dia do Servidor Público, Agnes resolveu morder o meu peito. Como dói pra caramba, eu tirava o peito e ralhava com ela. Ela chorava. Se eu fingia que não doía, porque afinal eu queria que ela mamasse, ela mordia, olhava pra mim, sorria, mordia de novo e puxava o bico do peito.

Pedi socorro no grupo de mães do qual participo pelo Whatsapp: como eu faço pra ela entender que não é pra morder, mas pra mamar? Elas disseram que tinha que ser firme. Aí Agnes chorava. Outra alertou que poderia ser simplesmente uma greve de peito que, em função da erupção dos dentes, dura uns dias e depois passa.

Fui tirando leite, congelando e dando pra ela. Passou uma semana e a greve - se é que ela começou tão cedo no movimento, antes até mesmo de nós, professores - não passou. Mordia e sorria, mordia e chorava, jogava a cabeça pra trás. Só mamava tranquilamente quando estava pingando de sono, e mesmo assim era num peito só. Entrei em crise. Ela está desmamando aos seis meses, eu queria dar peito até os dois anos, isso é a minha segunda cesária!

Instalou-se o conflito em casa, porque o pai dela achava mais seguro ter uma latinha de leite na dispensa, pro caso de não ter leite do peito. De fato passei a tirar menos leite, mas como eu sou cabeça dura, não queria saber nem de leite de fórmula nem de mamadeira.

Ontem compramos uma mamadeira que desmonta embaixo, esteriliza sozinha no microondas, tem bico com uma textura interessante e ventosas embaixo, facilitando fluxo contínuo. Mamadeira high tech. Enquanto eu esperava a moça do caixa fechar a conta, achei bicos de silicone. Minha mãe tinha falado deles antes mesmo da Agnes nascer e eu tinha achado a coisa mais esquisita do mundo colocar um plástico entre o peito e a criança. Mas como ela tava mordendo, resolvemos tentar. Bota mais esse aí, passa a régua e fecha conta, moça.

Tem vezes que ela não quer mamar mesmo, daí ela morde o silicone e balança a cabeça com o silicone na boca. Mas tem mais vezes em que dá certo.
Bico de silicone