sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Labirintos UNíRicos*

L foi na DGP para pedir um estagiário para auxiliá-la nas tarefas administrativas do PIBID. L foi orientada a fazer a solicitação de estagiário na PRAD ou PROPLAN e foi explicado a ela que se a PRAD ou PROPLAN aprovassem o pedido, ela receberia currículos de candidatos a estagiário, dentre os quais ela poderia escolher um - que seria então contratado pela DGP.

L escreveu e enviou o mesmo memorando para a PRAD e para a PROPLAN. Da PROPLAN não recebeu resposta, da PRAD recebeu um e-mail encaminhado para a DPI, pedindo ao responsável que verificasse se havia orçamento para esse tipo de programas (PIBID). L aguardou. Veio resposta da DPI diretamente para L. Não havia orçamento de estagiário para o PIBID, e que, para esclarecer quaisquer dúvidas, L deveria dirigir-se ao coordenador geral do PIBID.

L respondeu que é a coordenadora geral do PIBID.

Caminho sem saída.

L escolheu outra via: pegou o telefone, ligou para o gabinete da PROPLAN e explicou sua demanda de estagiário. Foi orientada a reenviar o memorando solicitando estagiário e assim o fez. Esperou. Nada aconteceu. Pensou que tivesse entrado em outra rota sem saída. Ligou novamente para a PROPLAN e ouviu como resposta que o despacho já tinha seguido para a DGP havia duas semanas.

L encaminhou-se para a DGP, mas não havia ninguém lá. O estagiário da DGP lembrou do caso e mostrou a L o seu memorando com o despacho da PROPLAN anexado. Segundo o estagiário, assim que as responsáveis na DGP voltassem de viagem, o trâmite seguiria seu curso normal.

Nada aconteceu nas duas semanas seguintes.

L regressou à DGP e perguntou quando lhe ofereceriam diversos currículos de candidatos para que ela escolhesse um estagiário. A resposta foi desconcertante: a estagiária já tinha sido contratada e já estava trabalhando. No NUCSA. Foi sugerido a L que fosse ao NUCSA para negociar a estagiária contratada com o coordenador de projeto de pesquisa.

Pressentindo que o caminho até o NUCSA significaria um beco sem saída desgastante, L foi ao gabinete da PROPLAN, expor a situação. Caminhou com o pró-reitor até a PRAD, onde estava encalhado o processo de contratação da estagiária. A pró-reitora explicou a L que a estagiária ainda não tinha sido contratada, já que havia problemas no processo: o PIBID está subordinado à PROGRAD, não ao NUCSA. A pró-reitora pegou o telefone e ligou para a DGP. Foi combinado que L passaria na DGP para decidir se aceitava a estagiária.

L foi dar sua aula de sexta à tarde. Na sala, encontrava-se a estagiária. L perguntou a ela se concordava em estagiar no PIBID. Sim. Foi à DGP e avisou que aceita que sua aluna seja contratada como estagiária do PIBID.


* Por mais que "UNíRicos" remeta a sentimentos diáfanos e tranquilizadores, e por mais que essa história não tenha nada de onírica e se assemelhe mais a um pesadelo, não pude deixar de gostar do trocadilho.

Um comentário:

Ulla Sen Gupta disse...

Für solche Geschichten schaue ich manchmal hoffnungsvoll in Deinen blog. Endlich gab es mal wieder eine.
Danke und liebe Grüße