terça-feira, 24 de março de 2009

Eu fui

Uma vez, um aluno meu me disse que o asfalto em Paulínia era bom, por causa do intenso tráfego de caminhões pesados. A minha curiosidade venceu a minha imaginação e peguei a bicicleta e fui lá, ver se era verdade. Contei pra ele que o asfalto da Milton Tavares, que liga Barão a Paulínia, era ruim e que o asfalto do acostamento era particularmente horrível. Mas lá, na cidade, o asfalto era bom.

*

Ivan fez propaganda de um mecânico de bicicleta chamado Luciano. O figura não trabalha na bicicletaria mais próxima da minha morada, mas a minha curiosidade me empurrou pra longe mais uma vez.

Amarilda e eu cruzamos a zona sul até a altura da estação do metrô Sta. Cruz. Foram 17,48 km feitos em 58:45 minutos, sem nenhum atrito no trânsito. Os semáforos com suas luzes vermelhas, no meio das ladeiras aqui, antes do metrô Jabaquara, totalmente quebraram o meu ritmo e fizeram com que as atenções de muitos fossem deslocadas para aquela ciclista altamente ofegante.

O mecânico Luciano ficou feliz ao ouvir o nome do Ivan, antigo colega de trabalho. Olhou para os cabos que percorriam o quadro até chegarem aos seus destinos: os freios e o câmbio traseiro. Não desconfiou do comprimento do conduíte, mas de sua adequação. Mostrou cabos que encapam os cabos de freio e cabos que protegem os cabos do câmbio. Tá vendo? Esse aqui de freio é mole, maleável. Esse aqui, de câmbio, é mais duro. Se quiser, eu troco.

É a estória da rebimboca da parafuseta! Eu queria ser aprendiz de mecânico de bicicleta por 3 meses. Aí eu saberia reconhecer o que a bicicletaria que montou a Amarilda fez de errado, além de trocar os cabos de câmbio por cabos de freio e montar um pedivela que não combina com o cassete.

4 comentários:

Pedalante disse...

OLá Jovem Professora,

E por falar em leituras:
http://www.4shared.com/get/89880637/7a60af6d/PROVOS.html;jsessionid=60515C0BD6BB2E51AB6842817FEDECB4.dc137


Abraços

Anônimo disse...

Por falar em graxa!
3 meses é muito tempo pra isso. Em algumas horas e um pouco de paciência e confiança você consegue diferenciar um mecânico mediocre dum bicicleteiro excelente.
Em 3 semanas já é fácil distinguir um pedalador original de um explarador irresponsável da máquina.
Em 1 mês e meio nem te conto...
Corre-se (pedala-se) o risco de mudar de ramo!
Curso intensivo de bicicleteiro: liga eu.
Ivan.

Evelyn Araripe disse...

Nossa, também preciso de um "cursinho" de mecânica para a bicicleta. Tô cansada de levar na bicicletaria e ter que voltar mil vezes para ajustar alguma coisa que não ficou legal!!!

Devia haver vagas de estágio nas bicicletarias! Rs.

Quanto a "Operação Pomar", o trânsito de bicicletas é proibido - ainda - no local. Na verdade, ali é usado como estrada de manutenção da EMAE. Mas, um espaço ótimo e muito mal utilizado.

Há uma discussão - que já dura alguns anos - de se transformar aquele espaço numa ciclovia. Mas, a EMAE, dona do lugar, cria vários empecilhos para que a idéia seja colocada em prática.

Enquanto isso, a gente invade e pedala feliz, sonhando com o dia em que não precisaremos ser clandestinos e poderemos pedalar tranquilos por ali (e quem sabe até lá o rio já esteja limpo, né?! rs.)

Bjos
Evelyn

Anônimo disse...

bicicletada hoje Lou?