segunda-feira, 19 de julho de 2010

Daí junta tudo

Estávamos pós-comemorando o aniversário do Ruy na churrascaria, combatendo o sono pós-comilança com muito bom humor, quando a Maíra comenta que conhece o Sílvio da bicicletada de São Paulo. Fiquei levemente assombrada: o que liga um professor de matemática cicloativista com uma analista do discurso, tradutora e roqueira?

Daí, depois de um tempo, vi o Antonio passando na rua com a irmã dele. Acenou, feliz com a coincidência de me ver. Eu levantei, saí da churrascaria e ficamos conversando. Disse que Renato estava a caminho e que dormiria na sua casa - aquele mesmo apartamento de sempre. Fiquei feliz: eu tinha vindo a Barão achando que não veria o Renato (porque o endereço dele é em Floripa).

Passei boa parte da noite com a Natalie, cicloativista que nunca viu (pessoalmente) o Telmo, fundador do Cicloviável, movimento do qual a Natalie participou depois que o Telmo já tinha saído.

No dia seguinte, fui almoçar com o Antonio e o Renato, e acabamos convidados pelo Ilari. De tarde, fui no banco, fazer uma transferência pra Natalie (comprei coletores menstruais pras minhas amigas). No caminho, encontrei com o Renato indo pra rodoviária. De noite, jantei com o Telmo e a Milena e ganhei luzinhas de bicicleta bem práticas e sexys (tá escrito 'sexy' na luzinha que veio da China).

Acho muito doido como tenho bons amigos que moram no mesmo espaço e não se conhecem e como bons amigos me surpreendem quando me dizem que estão de alguma forma relacionados a pessoas às quais estou ligada de outro jeito. E fico altamente feliz com a coincidência de rever Renato e Ilari por intermédio do Antonio. As pessoas são pontes entre pessoas. E quando junta tudo, fica massa.

2 comentários:

Mônica disse...

Lou, essa sua amiga ainda tem coletores menstruais? Dá tempo de vc trazer um para mim?

Ah! Outra coisa: se prepara porque vou precisar de uma consulta. Estou pensando em comprar uma bike.

bjs

iglou disse...

Relax, está arranjado.
Até!