quinta-feira, 29 de julho de 2010

Barra do Una


Pé na estrada e muita lama no carro. Olga e eu fomos a Barra do Una, Simão ficou em casa, curtindo um final de gripe. Rapaz, como é massa dirigir em estrada de terra com lama, buraco e paisagem verde abundante. 

Zeca e Rosa disseram que tinha chovido a semana anterior todinha (e mandaram um abraço forte pros meus pais!). Em todo lugar está uma secura danada e na Mata Atlântica tem chovido a ponto de ônibus atolar na estrada...
Segunda praia, vista de cima. As nuvens estavam pesadas, agarradas na serra. Por medo de chover e piorar o lamaçal na estrada, só fomos até o rio e o Camping Familiar Bar do Zeca e não caminhamos até a segunda e terceira praia.
Tanto o rio como o mar estavam com pouca água. Fazia mais de ano que eu não via o mar. O cheiro da brisa, a textura da areia, a fartura de água, o som das ondas e o clima desencanado estavam me fazendo falta.
A cor dessa água é interessante. As árvores que se vê na foto já estão na Juréia.
Viu como o rio está com pouca água? Na volta, quando subimos a serra, tinha muita neblina na Imigrantes. Neblina. Quanto tempo faz que eu não me via envolvida pela neblina?
Dessa vez eu não trouxe nenhuma conchinha comigo. 
Última olhada pro Rio Una e pé na estrada outra vez. Essa minha escapada de Rondônia está muito da hora. Todo dia revejo uma pessoa ou lugar que me faz sentir em casa.

Um comentário:

Ma disse...

HalloLou,
danke für die Bilder von Una! Wie schön, auch für uns, dieses Paradies nochmal wieder zu sehen!
Wie viele Erinnerungen werden wach!
An Zeca, den Campingplatz, an unsere Bambusschnitzereien mit Werner und Martina... die Nachtspaziergänge, Bootsfahrt und Schwimmeinsätze nach Juréia...
Abraco von deiner Ma und Pa