segunda-feira, 26 de julho de 2010

Ela anda

Olga e Simão tinham pendurado a minha Caloi 10 embaixo do telhado. Ficou suspensa por um ano, aguardando a minha volta. Enquanto o ar saía dos pneus da bicicleta, eu suspirava de saudades dela lá longe. Hoje desamarrei a bicicleta, enchi-lhe os pneus e comecei a me preocupar. 

A corrente nova já vem lubrificada, mas esse óleo teria durado um ano? Os cabos dos freios estavam com tensões diferentes, sendo que o da roda de trás estava bem frouxo. A minha ex-companheira de quarto de hospital tinha capotado numa speed justamente por só usar o freio da frente. Vai mesmo pedalar pra casa da Mônica? Sim, e aproveita e passa no Anderson pra pedir que regulem os freios e passem um óleo na corrente e instalem um velocímetro e quem sabe um bagageiro.

Fui devagar, estranhando a distância em que fica o acionador do freio. Nuca e ombros doíam, porque a minha posição estava mais deitada que numa MTB. Pra minha sorte, a cidade está relativamente vazia por causa das férias e os motoristas já se acostumaram com a presença de ciclistas. Toda vez que eu tenho medo de pedalar em São Paulo, perco o medo pedalando.

Na bicicletaria, pensei em comprar logo um bagageiro suspenso, mas logo vi que teria que comprar também um alforje que fica em cima do bagageiro (e não nas laterais da roda, porque não há nenhuma proteção na roda que impeça o alforje de entrar nos raios). Mas eu não tinha saído de casa preparada pra deixar R$ 700,- no Anderson Bicicletas.

Almocei picanha ao forno (muito boa!), revi os seis gatos ex-companheiros da Akari e Mônica e eu botamos a conversa em dia. Devo ter morado 4 meses na casa da Mônica, e só não lembrei o nome da cachorra (Laika) da tia Anne. De resto, era como se eu tivesse vivido 4 anos lá.

Voltei bem mais tranquila (por causa dos freios) e já testei a luzinha que o Telmo me deu. Agora que eu sei que ela anda, já posso considerar a opção de pedir um taxi (no aeroporto, quando eu chegar) pras minhas malas e pedalar pra casa em PVH às 2 da manhã.

3 comentários:

Mônica disse...

Nossa! Vc vai ter coragem de despachar sua bagagem com um motorista que vc não conhece? E se ele for embora com tudo o que é seu?

Cuidado, Lou.

iglou disse...

Hahaha, nem pensei nisso!
Ok, vou reconsiderar. Hehehe.
Hihihi. Obrigada pelo toque.

Anônimo disse...

Na Anderson!?
Boa decisão.