quarta-feira, 31 de outubro de 2007

Defesa do Telmo

Ontem foi meio que um dia de férias pra mim. Em plena terça-feira eu larguei tudo e peguei carona com o Telmo e fomos em 4 pra São Carlos, a quase duas horas de casa, pra ver a defesa de mestrado dele sobre planejamento cicloviário.
A banca examinadora com a orientadora no meio e o cara pancada aqui na esquerda.

A defesa foi super tranqüila, mas me incomodou um pouco a aplicação prática que o cara da banca insistia em trazer à tona: condensa os capítulos 3 a 6, deixa só umas tabelas, e vende esse trabalho como glossário ou manual. Hm... Telmo escreveu uma dissertação de mestrado, que é um trabalho acadêmico. O máximo que ele poderia esperar de aplicação prática do trabalho dele é que algum leitor atento extraísse da volumosa dissertação as melhores soluções de planejamento cicloviário adequadas a situações específicas de uma determinada cidade.

Mas o Telmo não contrariou o homem. Bom, vai dizer o quê prum cara que vem dizer que o Telmo não deveria dizer que é desvantagem se uma ciclovia aumenta o percurso do ciclista com o argumento de que a ciclovia existe, é confortável, mas tem como preço um percurso mais longo. Pôxa, quem planeja uma ciclovia tem, sim, que pensar no ciclista que vai usar aquela via, porque se o aumento do percurso for muito grande, muita gente vai preferir não usar a ciclovia.
Caçapa, (não sei o nome do moço) Telmo e Milena.

Um comentário:

Luiz disse...

O moço chama-se Luiz. Rapaz de ótima famía.