sexta-feira, 15 de maio de 2009

O pior banco do mundo

é o Santander. Não é só sua estrutura fragmentada que favorece a ocorrência de falhas e desencontros, mas é a incompetência dos funcionários que me atendem que faz com que eu eleja este e não outro banco como sendo o pior do mundo. Tenho bons motivos para tanto ódio.

Em 9 e 10 de janeiro a minha conta (corrente e poupança) foi limpada por um estelionatário. Imediatamente notifiquei o banco, que bloqueou o meu cartão. Passei um mês dependendo da boa vontade de uma tal de Gabriele Morales, a analista que estornaria o dinheiro que me tinha sido roubado. O dinheiro da conta corrente foi estornado, o da poupança foi ignorado por mais umas semanas. Assim que todo o montante desviado me foi devolvido, fechei a conta.

No dia 4 de fevereiro o gerente da minha conta universitária em Barão Geraldo me aconselhou a cancelar o cartão. Apertando os olhos, explicou que cancelar é diferente de bloquear, e cancelamos um cartão bloqueado antes de encerrar a conta. Perguntei sobre a fatura do cartão de crédito que viria me cobrando as coisas que o estelionatário (que pagou o IPVA do seu carro com o meu dinheiro) tinha comprado com o meu cartão. Apertou mais uma vez os olhos e amaciou a voz: Desconsidere, fique tranqüila.

Fim de março recebo uma ligação na casa da Olga. Senhora Lou, verificamos aqui que a sua conta foi manipulada por terceiros, e que o banco fez um estorno pra senhora. Acontece que o banco estornou um valor de R$ 6,00 a mais do que devia. Maravilha!! Já encerrei a conta faz um mês, como faço pra pagar por esse erro de cálculo de vocês? Aguarde contato.

Liguei no SAC do Santander e pedi orientação. A moça sugeriu que eu fosse em qualquer agência pra pedir que me gerem um boleto de R$ 6,00 que eu possa pagar no caixa. Fui na agência mais próxima e contei a minha triste e estranha história com o banco Santander pro gerente que, quando criança, atravessou uma porta de vidro (seu rosto era cheio de cicatrizes vetricais). O gerente do rosto marcado consultou-se com o seu superior, pediu o meu extrato, não conseguiu localizar nenhuma dívida ou diferença de R$6,-, tirou a calculadora da gaveta e mergulhou num silêncio profundo. Quando levantou os olhos dos seus cálculos, anunciou que o banco me devia mais de mil reais. Fui eu quem teve a sacada de verificar o saldo antes da clonagem do cartão e depois do estorno. Havia uma diferença de seis reais entre os valores. Aliviado, o moço pegou o gancho do telefone e ligou no SAC pra abrir uma manifestação e pedir orientação.

Percebi que, com o meu número de CPF, qualquer funcionário do Santander que trabalha em frente a um computador pode acessar a minha conta, ver as milhares de manifestações que tenho aberto nos últimos meses, mesmo depois de eu ter encerrado a conta. Mas nem todos podem fazer alguma coisa, especialmente quando não são do setor certo.

Mudei de casa e continuei ligando no SAC do banco, pra saber como pagar os malditos R$ 6,00 que estavam me cobrando por incompetência deles. De tanto ligar e ser passada para setores diferentes, acabei conversando com a Viviane Marcolino, a moça que tinha me achado na casa da Olga e tinha descoberto os R$ 6,00. Ela quis saber quem tinha sido responsável pelo estorno que saiu a maior. Repare que eu sabia disso, mas ela não. Você também sabe: Gabriele Morales. Expliquei que eu tinha ojeriza a esse nome, porque passei um mês caçando essa mulher. Ah, é? - disse, em tom divertido - um momento, que eu vou ver se consigo localizar a Gabriele. Levantou e circulou pela sala dela. Voltou dizendo que a Gabriele não trabalhava mais no Santander. Uau, que novidade. Bom, senhora Lou. A senhora não consta como inadimplente na conta corrente. Para cobrar esse valor de R$ 6,- da senhora, o banco teria que abrir uma nova conta pra senhora, mas como isso custa mais que o valor que foi estornado a maior, vamos simplesmente perdoar essa dívida. Ótimo. Mas a senhora tem uma dívida no cartão de crédito.

Como assim, eu tenho uma dívida no cartão de crédito? Senhora Lou, ligue no SAC e converse com um de nossos especialistas em cartões. Liguei e a moça disse que haviam sido feitas duas compras em 9 e 10 de janeiro, que tinham sido canceladas por terem sido feitas por terceiros, mas depois foram reacionadas, por não terem sido contestadas. A senhora não foi informada que precisa escrever uma carta contestando as compras que não reconhece? O seu gerente não a informou? Então a senhora vai mandar uma carta por fax, esclarecendo que não reconhece as compras. Sim, o cartão já tinha sido cancelado, mas como a senhora não contestou as compras, elas foram relançadas. Sim, foi uma falha do seu gerente e um erro do banco, mas esse é o procedimento.

Bom dia senhora Lou, sou do SAC Santander e estou ligando para avisar que a senhora está com um cartão de crédito em aberto e uma fatura com 18 dias de atraso. Querida, vamos fazer as contas. Quantos dias temos entre o dia 9 de janeiro e hoje, dia 12 de maio? Um pouco mais que 18, né? O fax que eu mandei já chegou? Sim, e está sendo processado.

Bom dia, senhora Lou, sou do SAC Santander e estou ligando para informar à senhora que a sua situação com o cartão de crédito já está regularizada. Vamos estornar o valor que a senhora não reconheceu. Estornar?? Pessoa, eu não quero o dinheiro de vocês, eu não tenho conta nesse banco, não tem pra onde você devolver nada. Eu quero que essa dívida seja anulada, cancelada, perdoada. Entendeu? Perfeitamente, senhora. Sua dívida foi cancelada. Cê fez isso agora, enquanto conversava comigo? Sim. Cê apertou um botão aí e resolveu os meus problemas? Exatamente. Posso ajudar em mais alguma coisa?

Oi, meu nome é Lou, e eu tô ligando só pra conferir se a minha situação foi regularizada. Sim, senhora Lou, o valor de R$ 257,52 foi estornado, o que gerou uma taxa de R$ 19,79, que a senhora precisa pagar. Mas eu não pedi pra estornar! Entendo, foi um erro, vou pedir pra cancelarem essa taxa de R$ 19,79, o que deve acontecer num prazo de cinco dias úteis. Meu, esse banco é muito confuso e incompetente! Eu cancelei o cartão em fevereiro e agora em abril e maio vem cobrança de uma fatura que o banco reconhece que não é minha, mas mesmo assim me cobra, depois essa dívida me é estornada - não sei pra onde, já que não tenho conta, o que gera uma cobrança de quase 20 reais! Alô? Alô? Viviane Amaral? Que puxa, tô falando sozinha. ODEEEEIO esse banco, só pro caso de a gravação dessa conversa ainda estar rolando.

Um comentário:

ex-Sheik Luís disse...

Pior do mundo? Tente abrir uma conta no HSBC de Dubai, de preferência 1 mês antes do Ramadã. ;-)