segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Carro e chuva

Os sites de previsão e constatação do clima anunciaram entre 42 e 46 mm de chuva hoje. De fato, choveu praticamente o dia todo. Chuva alternava com garoa e períodos em que a água apenas ficava suspensa no ar. 

A dona do único carro que ocupava a garagem veio para pegá-lo de volta. Ela tinha emprestado o carro pra irmos pra Cotia e o deixou um dia a mais que o planejado na nossa casa. Esse dia a mais que o carro ficou na nossa garagem, ela estava a poucas casas daqui, esperando a chuva passar. Hoje ela conseguiu um carro e um motorista que a transportasse alguns metros até o portão da nossa casa, ligou do celular e esperou eu abrir o portão debaixo de chuva enquanto ela esperava sentada no carro.

Na hora do almoço, Junior quis pedir comida do tipo que vem no pratinho de alumínio. Já que a garagem não continha nenhum carro, a ideia era fazer a comida vir até a porta de casa. Insisti que fôssemos até o restaurante vegetariano. Assim, caminhando e segurando guarda-chuva. Numa república, sempre tem pelo menos um guarda-chuva sem dono. Eu peguei um que abre mas não fecha, o Junior pegou um que parece ter sido do Ferrone.

Enquanto caminhávamos, Junior lembrou que o Ruy tinha ficado de passar em casa. Ligou pra avisar que almoçaríamos fora. Quem atendeu foi a Maíra, que quis falar comigo. Me disse que quando tivesse carro, me pegaria pra gente sair. 

Depois da siesta, liguei pro Ruy, pra perguntar se ele topava vir pra jantar. Reclamou que não parava de chover. Veio de ônibus. Quando chegou, já estavam aqui a Natália e o Cesar, que levou todo mundo de carro pra jantar. E como não parava de chover, Cesar levou o Ruy e a Natália para as suas respectivas casas.

Um comentário:

Leonardo disse...

e quando chovia antes de existir carro? como é que as pessoas viviam mesmo? rsrs