quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Biribá

Davi, o boliviano que cortava grama da casa na Rua Venezuela, veio cortar grama aqui. Chamei porque os cortadores de grama daqui cobram entre R$ 35 e 50. E a classe média que mora na Vila paga isso sem reclamar. Davi quis cobrar os mesmos R$ 25 de sempre, mas eu lhe dei R$ 30, por aqui ser mais longe que lá.

Antes de ir embora, Davi me perguntou se eu gostava de biribá. Interpretou a minha expressão facial e perguntou se eu conhecia biribá. Abriu uma sacola e me deu um de presente. Tinha sido colhido do pé que ele tinha podado antes de vir pra cá, cortar grama.
Biribá é parente da fruta do conde, mas olha a diferença de tamanho e gosma.

5 comentários:

Leonardo disse...

isso daí é graviola ?

Mônica disse...

Acho que essa fruta já está mais aparentada com a jaca, né?

É muito doce?

iglou disse...

Olha, quando eu descobri que abóbora, melão e pepino são integrantes da mesma família, tive um choque.

Que biribá, fruta do conde, graviola e jaca sejam, também, da mesma família, não me surpreenderia.

Agora não acho que seja à toa que se diga "enfiar o pé na jaca" para descrever situações desagradáveis e constrangedoras. Jaca é um troço do capeta mesmo: fede, gruda e enjoa. Biribá, em contrapartida, não apresenta essas características que não considero muito positivas.

Na estrutura familiar, eu colocaria o biribá mais perto da graviola do que da jaca.

Fernanda. disse...

Biribá é mais gostoso.

Anônimo disse...

Eu mesmo gosto é da madeira da biribá. O som do berimabau de biriba é fabuloso. O fruto nunca comi. A árvore tenho enorme interesse em conhecer.