terça-feira, 30 de setembro de 2008

Lixo

Introdução
Pouca gente reflete sobre lixo. Lixo é o que a gente joga fora, e quando se livra dele, não pensa mais sobre os materiais descartados. No meu círculo de amizades tem um biólogo que escreveu uma dissertação sobre lixo: o Porcão (o nome dele é George Leandro, mas muito pouca gente sabe disso).

Em Barão Geraldo tem coleta seletiva de lixo. Aos sábados passa o caminhão que leva o lixo reciclável. Na Oca, a gente junta mais lixo reciclável (embalagens - limpas e secas - de papel, vidro, metal e plástico) que lixo não-reciclável (o lixo dos banheiros, restos de comida e coisas que as pessoas tiveram preguiça de limpar ou jogar no lixo apropriado); o que seria um bom indício de que a coleta de lixo reciclável deveria ser mais freqüente que a de lixo não-reciclável.

Pois é, nós temos aqui em casa uma terceira categoria de lixo: o lixo orgânico sem sal que vai pra composteira. Como tem muita casca de fruta, vegetal, borra de café e saquinho de chá indo pro lixo da composteira, o lixo não-reciclável não enche tão rápido. Mas esses são os lixos de casa.

Problema
Quero falar dos lixos que vi no eco-festival About us. Havia a) lixeiras por todo canto; b) funcionárias de limpeza recolhendo lixo a toda hora;
c) entre um show e outro uma moça usando botas até metade da coxa avisava no microfone que devemos recolher nosso lixo. Muito bem.

a)
Os tonéis de lixo nos ofereciam duas opções: lixo orgânico e lixo reciclável. Até onde entendo, existem 3 categorias de lixo:
1) reciclável, que é aquele que é processado com calor, produtos químicos, minhocas e bactérias e o caramba;
2) reaproveitável, que é aquele que assume outras funções, como por exemplo a de arte decorativa, calço de mesa, pote de planta etc.;
3) sem chance, que é aquele que não dá pra reciclar ou reaproveitar, como por exemplo papel higiênico usado.
Segundo as minhas categorias, o lixo orgânico está no conjunto do lixo reciclável. Como a gente não conseguiu entrar com nossas comidas, não havia outras embalagens funcionando como lixo a não ser o filme plástico que envolvia o sanduíche natural, o guardanapo, o pratinho de papelão em que vinha a mini-pizza, os copos e garrafas plásticas das bebidas (e eventuais latas contrabandeadas pra dentro, porque lata e vidro são um problema em shows). Onde o sujeito vai jogar o guardanapo e o filme plástico do sanduba? Não é orgânico nem reciclável, nem mesmo reaproveitável. Mas só tinha duas opções de lixo lá: orgânico e reciclável. Agora me diz o que, naquele contexto, poderia ser jogado no lixo orgânico! Não estavam vendendo frutas, vegetais, chá quente ou qualquer outra coisa que pudesse produzir lixo orgânico.

b)
As funcionárias de limpeza recolhiam o lixo na área VIP, não sei se aventuravam-se na pista. Acho que não, por causa da aglomeração de gente. Em todo caso, o ponto é que quem teve grana pra pagar um ingresso VIP podia se dar o luxo de jogar lixo no chão, porque haveria sempre uma moça uniformizada limpando a área. Não acredito que contratar funcionárias de limpeza que recolhem o lixo na área VIP seja uma contribuição pra educação ambiental dessa gente que pagou caro no ingresso e portanto deve representar uma fatia da classe média.

c)
Assim que o último show acabou e a galera dispersou, o chão da área VIP (que tinha sido limpado constantemente!!!) estava um mar branco de copos plásticos.

Conclusão
Pra mim isso mostra que quem foi ao festival queria ver e ouvir suas bandas preferidas, e não tava nem aí pra proposta ecológica do evento. Mostra também que a proposta ecológica do evento foi fraca, já que (i) dispôs duas opções de lixo, sendo uma totalmente virtual; e (ii) dispôs mulheres recolhedoras de lixo na área VIP, legitimando assim a prática de jogar lixo no chão. Isso nos leva à conclusão de que aquecimento global, coleta seletiva de lixo e educação ambiental ainda não são uma questão de atitude e ação no mundo, mas uma forma de estar na moda e ganhar dinheiro.

2 comentários:

Natalie Rios disse...

Nem me fale em lixo!
falando em Porcão, ele ainda tá trabalhando com isso?
Você tem a tese dele?

iglou disse...

Vixe, faz tempo que não vejo o Porcão, mas ele tá por aqui ainda.
Sei que a dissertação dele é sobre lixo porque o Renato revisou o texto. Lembro que tinha a ver com reaproveitamento da água do banho, mas não tenho certeza se era só isso. Quer que eu te ponha em contato com o Porcão?