quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Pequena observação antropológica

Quando peço carona pra São Paulo, sempre aviso que estou na saída de Barão, e que é mais cômodo pra mim esperar na frente do supermercado Dalben. Aviso que ao lado da entrada do estacionamento tem um recuo e que estarei lá, esperando.
Os homens concordam com a minha proposta.

A mulher que vai me dar carona daqui a dois dias insistiu em me pegar dentro do estacionamento. Argumentei que ela vai ter que atravessar todo o estacionamento, porque o local da entrada não é igual ao da saída, que ela vai gastar tempo e gasolina atravessando o estacionamento, que parar no recuo não atrapalha o fluxo do trânsito, que eu serei mais facilmente identificável fora do estacionamento que dentro dele (não nos conhecemos, e não tenho certeza se ela sabe que eu não sou homem: meu nome não é transparente, e ela só viu o meu nome por escrito, não ouviu a minha voz).

Não teve jeito. Estacionamento.

Ela não explicou os motivos pra preferir um lugar protegido, com grade, em que é normal que a velocidade dos carros seja baixa. Ao invés de acreditar que ela seja uma motorista inexperiente, prefiro acreditar que ela simplesmente esteja projetando o modo como sempre foi tratada: com proteção, resguardo e discrição.

Um comentário:

Natalie Rios disse...

Muito doido isso da carona!

O mais louco é eu também ter participado indiretamente dessa doideira aí!
nos idos de 2004, os goianos da UNICAMP montaram um yahoogrupo de caronas para lá.
O feijão em seguida criou o de SJC, e eu caí na organização disso depois de agitar um documento a empresa Pássaro Marrom, pela má qualidade do serviço prestado (teve uma época em que empacava ônibus na estrada toda semana por falha em equipamento idiota).
Daí o grupo de Caronas de São José bombou, e começaram a surgir outros, inclusive o de São Paulo, e outras cidades do interior.
Aí acho que em 2005 o doidão da computação lançou um site, que não pegou. E no ano passado, este aí que você tem usado se efetivou, especialmente para São Paulo.
Mas os provincianos joseenses não trocaram de ferramenta como os paulistanos, e temos mais de 100 mensagens por semana na nossa lista!
Sim, eu amo carona!
Economizar tempo, dinheiro, ser entregue na porta de casa, e muitas vezes ter conversas interessantíssimas!