quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Nem sombra de Goya

Estou lendo a biografia de Goya. São duas biografias, porque Robert Hughes mistura a sua biografia com a de Goya. No bom sentido, claro. Só que o retrato da época é muito detalhado, não há transição entre a análise de um quadro e outro e tenho saudades da biografia de Michelangelo, a melhor que já li. Talvez por ser uma biografia romanceada...

Enfim, a leitura caminha de forma claudicante, é constantemente deixada de lado e trocada por histórias em quadrinhos e textos acadêmicos. Hoje seria o último dia em que "As sombras de Goya" passaria no Cine Paradiso. A troca de filmes em cartaz é ritualmente feita nas sextas-feiras, não nas quintas-feiras. Hoje, quinta-feira, seria o último dia do filme no Cine Paradiso. Fui lá debaixo de chuva intermitente, e dei de cara com a bilheteria fechada e várias pessoas com cara de interrogação em frente à porta do cinema.

Havia um cartaz pregado na porta, anunciando o novo filme de amanhã, mas nem sombra de Goya.

Nenhum comentário: