segunda-feira, 4 de fevereiro de 2008

Estórias gerais

O moço, que é ilustrado das idéia, esteje avisado: num acredito em lobisome, mula-sem-cabeça, caboclo d'água ou ôtros fantasma.
A jornada que leva mais longe é a que nos guia mais pra dentro da gente. No ponto de chegada, o viajante já não reconhece aquele que era no porto de partida. Qual o resultado da viagem? Qual a verdade revelada? Que, na verdade, a verdade não é nada!
Civilizada miopia que nos faz ver atraso e ignorância onde há, na verdade, a diferença, a originalidade apaixonante do que não é aquilo que somos nós.
Estórias gerais se passa no norte de Minas, no sertão onde o jagunço bota ordem nas coisas que se movem. A prosa está muito bem retratada, além de ser poética à la Guimarães Rosa. Me lembra um pouco de Narradores de Javé, tem estória dentro de história, mas segue basicamente os bandos de Antônio Mortalma e Manuel Grande. A arte gráfica e a prosa solta são os destaques desta obra brazuca no tôco. Escrita por Wellington Srbek (suponho que ele seja capaz de pronunciar seu sobrenome) e ilustrada por Flavio Colin, é uma obra em quadrinhos lançada em 2007 pela Conrad (que se especializou mais em lançar quadrinhos americanos, traduzidos pro português).

Nenhum comentário: