terça-feira, 17 de julho de 2012

Cicloturista

Eu tinha deixado a Amarilda na Unir campus de ontem pra hoje. Quando quis resgatá-la, vi que o pneu de trás estava murcho. Virei a bicicleta de ponta cabeça e fiz os procedimentos: abrir os freios, soltar a roda, procurar as ferramentas e câmara reserva. Achei a câmara na bolsinha que fica embaixo do selim, mas não achei as espátulas, remendos, cola, lixa etc. Não que eu precise de espátulas pra tirar o pneu, mas foi nesse momento que dei pela falta das ferramentas. Um professor de Filosofia passou por mim, nem se ligou que eu estava ocupada e comentou que seus sobrinhos são ciclistas. Enquanto eu procurava pelo objeto perfurante no pneu, outro professor, de Educação Física, parou do meu lado. Avisei que eu sabia trocar pneu, que não precisava se preocupar comigo.

Quando cheguei em casa, quis remendar a câmara furada. Não achei, em casa, nas coisas de bicicleta, as coisas que precisava. Mesmo assim, enchi a câmara, pra ver o rasgo. Rasgo nenhum.

Quando vi o pneu baixo, não me passou pela cabeça que o pneu tinha sido esvaziado. Eu devia ter lembrado que deixar a bicicleta muito tempo em lugar público pode acarretar pneus murchos ao invés de furados. No meu manual de cicloturista faltava essa informação.

Outra coisa de cicloturista é deixar coisas (bomba, caramanhola, ferramentas) na bicicleta. Perdi coisas que me salvariam numa cicloviagem. E justamente por acreditar que me salvariam, sempre andavam comigo.

Liguei pra bicicletaria do Bezerra e perguntei se o óleo Finish Line que ele tinha pedido já tinha chegado. Aproveitei pra perguntar se ele tinha chave de raio, chave de corrente, canivete com chaves allen, espátulas, remendo e cola. Ele só tinha a chave de corrente, e achou estranhíssimo que eu, enquanto usuária, quisesse ter uma também. Eu, por minha vez, fiquei escandalizada com o fato de ele não ter remendos ou cola: como é que vocês remendam câmara aí? Respondeu que eles não remendam, mas trocam.

Ainda vou correr atrás das ferramentas que perdi, mesmo que nunca as tenha usado. Elas me dão a sensação de autonomia, indispensável para qualquer cicloturista.

Nenhum comentário: