segunda-feira, 24 de setembro de 2007

Inauguração da ciclovia/ ciclofaixa de Barão

Os ciclistas não estão satisfeitos com a ciclovia/ ciclofaixa de Barão Geraldo. Falta sinalização, falta iluminação pública, tem uma descidona que cruza uma rotatória pra os carros, e muitos motoristas não olham para os ciclistas que vêm em alta velocidade, há mais pedestres do que ciclistas na ciclovia. Na ciclofaixa não, porque esta é por vezes do lado esquerdo dos carros, e nenhum pedestre prudente se atreve a se expor tanto ao trânsito. Fora isso, a ciclofaixa começa de repente e acaba no nada, sem aviso prévio, sem indicação do que o ciclista (que está à esquerda dos carros) deve fazer.

Dois dias antes da inauguração da ciclovia, as obras de acesso entre a Praça do Côco e o Tilly Center começaram. Pintaram trechos em que a ciclovia cruza a pista de vermelho (com uma tinta que não promete durar mais que 1 ano), instalaram dois semáforos para ciclistas, fizeram rampas de acesso na Praça do Côco e mudaram o sentido do trânsito naquela rua.

A ciclovia/ ciclofaixa é um projeto de 1996. O projeto foi iniciado em 2006. O Campinas Cicloviável quis participar desta implementação de projeto, mas não foi convidado. As obras aconteceram num período relativamente curto de tempo, mas a sinalização ficou faltando (tanto vertical = placas e semáforos como horizontal = pintura no chão). Falta de material. Aí, dois dias antes da inauguração, o material aparece e a ciclovia/ ciclofaixa parece novinha em folha.

Edison, o prefeito da Unicamp, Thiago Ferrari, o subprefeito de Barão Geraldo, o pró-reitor da Unicamp, Bittencourt, o secretário municipal dos transportes de Campinas e o povo da EMDEC estavam presentes, dando entrevista, dizendo que sabem dos problemas da ciclovia/ ciclofaixa, pedindo paciência e sorrindo pra todos. De público havia 3 pessoas: Natalie, do CicoViável, Ricardo, do Campinas Bike Clube e eu, também do CicloViável. 3 ciclistas formaram o público do lançamento do projeto cicloviário de Barão Geraldo. 3 ciclistas envolvidos no movimento da bicicleta como meio de transporte. 3 cicloativistas, por assim dizer.

Claro que todas as pessoas presentes caminharam a pé pela ciclovia. Deram entrevista na sombrinha da Praça do Côco e foram tomar um côco gelado. Nós três não fomos convidados e ficamos de fora. Resolvemos ir embora. Um amarelinho percebeu que 3 ciclistas pretendiam atravessar a rua pela ciclofaixa e logo se empenhou em parar o trânsito. Só que um carro não parou. Eu contornei o carro, Natalie me seguiu, olhando pro amarelinho e colidiu com o carro. Maravilha!!! Um acidente envolvendo uma ciclista e um carro para coroar a inauguração da ciclovia/ ciclofaixa!!! Nenhuma das autoridades de trânsito se moveu da sombra e côco gelado. Um jornalista veio, tirar foto do dedo sangrando da Natalie, que foi cortado pelo vidro do retrovisor do carro. Natalie logo pediu ao homem que não fizesse sensacionalismo, pediu o contato dele e recusou hospital, ambulância, carona pra casa.

Foi só um dedo sangrando, mas o mais impressionante foram o susto e a paralisia dos homens importantes que não poderiam se mostrar ao lado de uma ciclista acidentada na ciclofaixa em presença de um amarelinho.

Um comentário:

Natalie Rios disse...

Deveras boa a história do atropelamento na inauguração da ciclovia.
Quase foi de propósito!