quinta-feira, 2 de maio de 2013

A bateria

Em março, quando eu estava de férias no Rio, a bateria do meu netbook entrou num vertiginoso processo de falência. Daí parou de acumular energia. Luis e eu fomos nas lojas de informática atrás de bateria, e todo mundo dizia que não tinha, porque esse tipo de bateria sai muito rápido. O que eles podiam fazer era consertar o conector, que estava quebrado, portanto causando mau contato. Resolvido o problema de alimentação do computador, restava trocar a bateria. Voltamos às lojas de informática e voltamos a ouvir que ninguém tinha, que só encomendando. Como eu estava pra voltar a Santa Maria, pedi pra loja encomendar e me mandar por Sedex.

Uma semana depois, escrevi pra loja, perguntando se a encomenda já tinha chegado lá e se podiam me passar o código rastreador no site dos Correios. Nenhuma resposta. Dias depois, liguei. O cara que atendeu lembrava do meu caso e disse que tinha despachado a encomenda. Me mandaria por e-mail o código, pra não gastar muito DDD.

No dia seguinte, chegou o e-mail com um pedido de desculpas: na hora de enviar, foi de PAC e não Sedex e esperavam que isso não me prejudicasse. Passei a acompanhar a bateria que demorou 13 dias para migrar de uma agência carioca para outra, onde ficou mais uma semana para descer a Passo Fundo num dia e chegar a Santa Maria no outro. A primeira tentativa de entrega ocorreu (exatamente um mês depois da compra da bateria) enquanto eu dava aula de manhã. O carteiro deixou aviso de tentativa de entrega, o que me surpreendeu, já que a regra é deixar o bilhete na terceira tentativa.

Tentei resgatar o objeto na agência aqui do Camobi, mas ela estava fechada para o almoço. Em São Paulo, as filas no Correio sempre são maiores justamente na hora do almoço, porque esta é a hora em que as pessoas não trabalham. E aqui a agência fecha na hora do almoço. Meus compromissos não permitiram que eu voltasse à agência naquele dia. E no dia seguinte embarquei num avião para o Rio de Janeiro.

Pelo site dos Correios, acompanhei as duas entregas subsequentes, e quando cheguei em casa depois do feriado, recolhi todos os avisos na caixa do correio. Na manhã seguinte, fui na agência dos correios 3 minutos depois de ela abrir. Na fila contei 6 pessoas. Decidi ficar na fila porque logo percebi que ela tinha uma dinâmica rápida: quase todos estavam ali para buscar pacotes.

Encaixei a bateria no netbook e observei as luzinhas. A luz da bateria acendeu de relance, logo apagou. O ícone da bateria na barra inferior da tela continuava acusando ausência de bateria - apesar do texto dizer: "conectada, carregando". Ficou assim por 5 horas. Tirei o cabo de energia. O computador não desligou. A bateria funciona, mas por "tempo restante desconhecido". Pena que o meu computador não reconhece a bateria que fez essa viagem de aventura e demorou tanto tempo pra chegar. Acho que vou chamar o meu netbook de Penélope...

2 comentários:

Anônimo disse...

oi lou, faça o seguinte procedimento: deixe o computador desligado e ligado a tomada. quando terminar, tire da tomada e use a bateria até o pc morrer. faça de novo o processo algumas vezes até que ele mostre o tempo restante corretamente.

iglou disse...

Obrigada por me dar instruções (que deveriam constar na bateria) para aproximar o computador da bateria! Valeu mesmo.