segunda-feira, 23 de abril de 2012

Paredes flusserianas

"Paredes são disposições para a distinção entre espaços públicos e privados. Essa diferença, obtida graças à parede, é primordial, pois a vida humana é um oscilar entre o público e o privado. O ser humano é um habitante de espaços interiores e um experimentador de espaços exteriores. Para permitir esse oscilar, as paredes têm de ser levantadas. Tem-se de introduzir algumas aberturas (portas), por meio das quais saímos e voltamos, e outras (as janelas), por meio das quais aquilo que é público é visto como privado e aquilo que é privado é inspecionado como público." (p. 109)

"(...) a parede de uma biblioteca distingue-se basicamente de todas as outras." (p. 109)

"Nenhuma parede - exceto a parede da biblioteca - pode provocar uma revolução." (p. 110)


FLUSSER, V. A escrita: Há futuro para a escrita? Tradução do alemão por Murilo Jardelino da Costa. São Paulo: Annablume, 2010.

Nenhum comentário: