segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Espírito Santo, Amém

Itabira, o símbolo de Cachoeiro de Itapemirim
Depois do Natal em família (família Novoa) em Campinas, Luis e eu subimos de ônibus para o Espírito Santo. Fizemos uma parada rápida no Rio e passamos algumas horas naquele que foi noticiado no dia seguinte como o dia mais quente da história do Rio (43°C). Chegamos cedo em Cachoeiro, onde o sol já mordia às 7 da manhã.

Areia preta
Em Cachoeiro, na casa dos pais do Luis, havia um carro. Pegamos a chave desse carro na outra ponta da cidade e nos dirigimos a Marataízes, local de veraneio dos cachoeirenses. As praias são enseadas curtinhas, que se transformam completamente conforme a maré (mostrando ou cobrindo suas pedras). Uma das praias se chama Praia da Areia Preta, que tem uma areia famosa por seus poderes terapêuticos (contra reumatismo).
Ponta do Siri lá longe, Marataízes aqui
A água do mar parece não ser poluída, já que se vê muitas (mesmo!) tartarugas marinhas bem perto dos banhistas. Fiquei feliz de ver tantas colocando a cabecinha de fora pra respirar.
Maria-mijona
Logo nos instalamos nas pedras e acompanhamos a maré baixando. Nessas pedras, há universos inteiros de moluscos, algas, ouriços, peixinhos e tantas outras coisinhas coloridas. Luis relembrou a infância pescando com linha.
Pesca artesanal: com linha e caramujo na isca
Luis pegou dois peixes, mas o mar os pegou de volta quando uma onda derrubou o potinho em que eles estavam.
O primeiro peixe pescado

Olha o céu
Na volta para casa, paramos numa outra ilha de pedra e pegamos um peixinho com a camiseta (várias técnicas de pegar peixe!), que funcionou como rede. A graça era cercar e pegar o peixe. E quando isso foi alcançado, Luis deu o peixe pra criança que se encontrava mais perto de nós. Comoção geral, aquele peixinho minúsculo virou ímã de atenção. O problema é que o menino que ganhou o peixinho tinha um irmão. A mãe dos meninos veio na lagoa da pedra e se pôs a caçar peixinhos com a mão. E conseguiu! Ela chegou a pedir a minha ajuda, mas ela pegou peixinhos e carangueijinhos sozinha - pra surpresa e alegria dela.
Peixinho do tipo tainhazinha
Luis se distanciou de nós, à procura de um segundo peixinho, e acabou achando caracois (que neste momento estão em suas mãos, na cozinha, prestes a morrer na panela). E depois dos caracois, achou um carangueijinho preto.
Me senti muito corajosa pegando esse bicho
O ano de 2012 terminou bem colorido e alegre. O ano de 2012 foi de mudanças radicais na minha vida. Que em 2013 eu consiga me equilibrar entre Santa Maria e Rio.
Feliz 2013 pra todos nós!

Nenhum comentário: