terça-feira, 28 de junho de 2011

Sem o capacete

Durante o passeio ciclístico, eu tinha reparado num policial de moto. A função dele era de pastorear a massa de ciclistas. Não se via muito da pessoa escondida na farda e no capacete. Eu só tinha informações sobre a parte do rosto que seu capacete permitia ver.

Seus olhos eram tão firmes, que magnetizaram os meus. O olhar dele era tão concentrado, que tive até vontade de perturbar seu equilíbrio.

Quando ele tirou o capacete, vi que seu pescoço era curto demais, a testa alongava o topo de sua cabeça, o corte de cabelo acompanhava a calvície e as orelhas despontavam. Seus lábios eram finos demais pro meu gosto, seu queixo quadrado não combinava com o nariz pequeno e seus olhos se perderam na paisagem.

Um comentário:

Anônimo disse...

Amei seu post!!!
muito bacana e interessante, parabenssss.
Abs fraternais, Veranubia.