segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Ciência e divulgação

Quando estive na Holanda, em Nijmegen, fui estudar Teoria da Adaptação com Herman Kolk, autor da teoria. Toda a teoria baseia-se na assunção de que a fala afásica não é resultado direto da lesão cerebral, mas de uma adaptação que o sujeito afásico faz à sua lesão. Essa adaptação, no caso de pessoas com fala agramática, seria temporal: o sujeito percebe que, devido às pressões da situação do diálogo, não tem tempo para encontrar e combinar as palavras, então fala "telegraficamente".

Cheguei em Nijmegen com dados de MS e OJ, sujeitos brasileiros que falam português. Kolk não entende português, mas compartilhamos as categorias de palavras. A solução encontrada pelo meu orientador foi transformar os dados em números. Pediu que eu contasse omissões, substituições e acertos de preposições. Fiquei intrigada: se a teoria toda foca não na lesão, mas na adaptação, se o analista estuda o que é de fato falado, não o que "foi perdido por causa da lesão", posso ainda falar em omissões e substituições? Comentei com Jonas (estudante) que estava diante de uma incoerência teórica. Jonas respondeu, mais ou menos, uma citação que encontrei ontem na Autobiografia científica de Max Planck:

"Uma nova verdade científica nunca triunfa porque se consegue convencer os adversários, mostrando-lhes argumentos. Novas verdades científicas só são possíveis quando os teóricos adversários morrem e surge uma nova geração para a qual a novidade faz sentido." (adaptado p. 30)

Brinquei dizendo que não adiantava esperar o teórico morrer, porque ele tinha discípulos. Já de volta ao Brasil, e com um senso de necessidade de justificar a minha bolsa na Holanda, escrevi um artigo fruto do meu trabalho na Radboud Universiteit. Kolk assinava comigo um texto em que eu não contabilizava omissões nem substituições, mas analisava o que tinha sido dito; e mandei o texto pra Aphasiology. Voltou com pedido de correções. Corrigi, mandei pro orientador ver as mudanças. O orientador estava de mudança para os Estados Unidos, não teria tempo para ver o texto e pediu para que eu retirasse o seu nome do artigo. Tirei o nome dele e mandei pro periódico. Responderam que não publicariam o texto.

Mandei pro Journal of Neurolinguistics e obtive resposta no dia seguinte: seu texto foi rejeitado sem ter sido encaminhado a pareceristas porque não se encaixa no perfil da revista. Me pergunto se o texto teria sido ao menos avaliado se o nome do Kolk constasse duas linhas abaixo do título.

Essa foi a primeira barreira na minha vida de pesquisadora. E foi a primeira vez em que eu me coloquei no papel de contestadora de uma "verdade". Entendi que não era exatamente o conteúdo do meu trabalho que estava sendo cogitado para publicação, mas o sobrenome de quem assina o trabalho. A lista de revistas que rejeitaram meus textos é grande, e isso talvez tenha a ver com o fato de que eu não construí uma carreira com um único tema. Das preposições migrei para o agramatismo, dali para as marcas de oralidade nos textos dos meus alunos, dali para os sinais de pontuação.

Em todos esses anos, recebi pouquíssimas críticas. Aconteceu de eu apresentar um trabalho no GEL para a monitora da sala, porque não havia mais ninguém na sala. Tenho a impressão de que as críticas ao meu trabalho não vêm dos pesquisadores que leem o meu trabalho publicado, mas das pessoas que decidem se ele será publicado ou não. E mesmo esses pareceristas têm, na minha experiência, rejeitado ou publicado, sem se debruçar sobre o tema.

A ciência é feita por pessoas. A divulgação da ciência é feita por pessoas. Se a ciência pretende produzir conhecimento, os divulgadores da ciência deveriam explicar por que rejeitaram determinados trabalhos, porque esse conhecimento sobre as fragilidades do trabalho ajudam o pesquisador a repensar o seu trabalho.

Recentemente me inscrevi para o congresso da ABRALIN com um trabalho sobre o sistema de sinais de pontuação. Havia milhares de simpósios em que eu poderia submeter um resumo do meu trabalho. Escolhi um e mandei o resumo - depois de pagar a anuidade da Abralin. Não recebi a carta de aceite no prazo estabelecido pela organização, então escrevi para as coordenadoras do simpósio e para a Abralin. Demorou, e quando veio a resposta, foi indireta: acesse sua área restrita no site do congresso. Acessei. Não havia parecer, não havia justificativa. Estava escrito reprovado. Pensei: ok, as coordenadoras do simpósio não me conhecem. E como quase não há estudos sobre os sinais de pontuação, nem devem imaginar como se estuda isso de maneira diferente do que existe nas gramáticas. Continuei pensando: errei de simpósio. Talvez, se eu tivesse inscrito o trabalho em outro simpósio, teria o trabalho aceito. Impossível inscrever-se em outro simpósio apesar das inscrições ainda estarem abertas. Perguntei na organização do evento e confirmaram: impossível.

Cynthia me contou que uma vez participou de um congresso da ABRALIC. Pagou anuidade e inscrição, foi, apresentou e voltou. Dois congressos da Abralic depois, resolveu submeter trabalho lá de novo. Só aceitariam proposta de trabalho se ela pagasse as anuidades dos anos em que não participou do evento mais aquela anuidade atual. O congressos por acaso são clubes?

Ontem Marcelo Gleiser, maior divulgador de ciência escrevendo em jornal no Brasil, se despediu de sua coluna dominical na Folha. Foi expulso do clube? Recebo e-mails de periódicos oferecendo publicação em troca de dinheiro. Me convidam para entrar no clube? A Capes incentiva os seus bolsistas a publicarem, divulgarem seus trabalhos, mas não repassa a segunda metade do orçamento anual (para o PIBID, do qual sou coordenadora institucional), de modo que os bolsistas ficam sem passagens e sem diárias. O clube fechou?

Nenhum comentário: