terça-feira, 7 de abril de 2015

Páscoa ribeirinha

Jairo veio pelo rio, navegou um pouco pelo esgoto do Nacional e veio nos buscar
Saímos aqui, perto da ponte
As águas do Madeira já estão baixando, mas ainda se vê a marca marrom do mês anterior, em que a cota chegou a 17m. A estrada da beira que vai margeando o Madeira está caída em alguns trechos e completamente abandonada à floresta em outros.
Estrada abandona
A nova estrada, que entra pelo KM 4,5 da BR 319 está bem encharcada, e como a casa do Jairo fica na estrada da beira, e tem vários pontos com muita água pra atravessar, não tinha como chegar de carro. Por isso Jairo nos buscou de barco.
Estrada da beira
No sítio tinha os membros da Arirambas, as galinhas, o coelho, os cachorros, o hamster, os passarinhos, os mosquitos, as flores, as árvores etc. Não tirei fotos de todos, apenas de um gafanhoto que não teve medo da câmera.



Nem todos ficaram pro churrasco, infelizmente. Luis cuidou da carne, Jairo desenterrou, descascou e cozinhou macaxeira amarela.
O churrasqueiro
Luis na cozinha

Jairo do lado de fora, descascando macaxeira recém-colhida
A casa do Damián
Damián
Antes de ir embora, fomos (de barco, porque pela estrada teríamos que passar por uma poça com água podre, em que provavelmente morreram animais) ver a casa do Damián. Devagarzinho a casa vai tomando forma.
Jairo e Luis


Nenhum comentário: