quarta-feira, 2 de março de 2016

Parto normal pelo plano de saúde?

O site do meu plano de saúde tem uma seção inteira dedicada ao parto humanizado, anuncia com orgulho que o parto normal é gratuito pelo plano (que é em esquema de co-participação, de modo que pago, mesmo que pouco, por cada coisa utilizada) e tem como lema que "parto normal é normal".

O obstetra que mais visitei durante a minha gestação não faz parto pelo plano porque não concorda com os valores que o plano paga a ele. Cobra R$ 2.500,- tanto pela cesárea como pelo parto normal e insiste que cesárea é mais seguro. "Parto normal só é bom quando tudo dá certo."

Fui no meu plano, perguntar como proceder. Aquela obstetra que faz parto humanizado pelo meu plano trabalha exclusivamente na maternidade que será descredenciada do plano de saúde, ou seja, não é uma opção. Me indicaram outra/os obstetras que fazem parto pelo plano.

A primeira que consultei me mostrou a agenda de pacientes dela e me explicou que se fizesse parto normal, ela perderia tudo isso de clientes. Disse que além disso, o que o plano lhe paga não compensa. Já no caso de uma cesárea, ela pode se programar, chamar a equipe, operar de manhã cedinho e atender os pacientes em seguida.

A segunda obstetra desconhecida que consultei sobre parto me disse que não acompanha parto normal de nenhuma paciente - nem que lhe paguem. Porque ela prefere não assumir o risco. Quando perguntei em qual maternidade seria melhor ter o parto, ela recomendou a maternidade municipal (SUS), onde trabalha como plantonista - fazendo partos normais!

O terceiro obstetra em cujo consultório caí de paraquedas no oitavo mês de gestação à procura de alguém que faça parto me tratou como um mafioso trata um aprendiz. Disse que cobra uma taxa de disponibilidade de R$ 1.500,- para garantir que estará lá no dia do parto. Depois descobri que a ANS condena essa prática como irregular.

Voltei-me ao plano de saúde, pedindo que me indiquem algum obstetra que não cobra pelo parto normal e que não tente me convencer a fazer cesárea por motivos do interesse do obstetra. Havia sobrado um na lista (aquele que consultei primeiro e que, ao invés de me esclarecer, tinha me mandado procurar "translucência nucal" na internet), mas a operadora do plano não consegue marcar consulta com ele pra mim porque o telefone da central de marcação de consultas não atende.

Tentei marcar consulta eu mesma, indo no hospital onde ele trabalha e onde a agenda dos obstetras é semanal. Na primeira semana, não consegui marcar por uma questão burocrática (os obstetras não são diferenciados entre si para o plano, então eu não poderia voltar na semana seguinte ao local onde trabalha o obstetra da "taxa de disponibilidade"). Na segunda semana, me disseram que o doutor viajaria na semana seguinte.

Compadecendo-se do meu drama, a operadora do plano apresentou a seguinte solução: oferecer ao meu obstetra de mais longa data (cujos filhos nasceram de cesárea porque ele quis) o "pacote parto humanizado", de modo que ele receberia mais para fazer parto normal. Entendi que a propaganda do parto humanizado não se aplica a todos obstetras credenciados no plano, apenas alguns poucos escolhidos. Imagino que esse advogado da cesárea não faria parto humanizado nem que lhe paguem mais, simplesmente porque ele tem pouca experiência para lidar com eventuais adversidades.

Fui na obstetra de outro plano, que eu já tinha consultado (pagando pela consulta) em tempos difíceis e que me pareceu a mais profissional e ética de todos. Como ex-diretora da maternidade municipal, ela sugeriu que eu tivesse o parto normal pelo SUS e não pelo plano.

Conversando com as doulas do Araripe, me convenci de que parto normal é normal, mas não pelo plano de saúde - muito menos o meu. Já passei por 8 obstetras diferentes e nenhum deles (nem aquela que não é do meu plano) está disposto a fazer o meu parto natural.

4 comentários:

Mônica disse...

Faz uns meses, vi uma matéria a respeito disso na tv. As mulheres entrevistadas disseram o mesmo: tiveram de fazer o parto normal pelo SUS, pois não encontraram médicos que o fizessem pelo plano de saúde.

Vanessa Pesenti disse...

Impressionante como o parto normal eh tratado no Brasil. O risco eh a cirurgia, a cesariana. O normal, como o nome diz, eh o normal. Meu filho nasceu de parto normal, respeitadas todas as etapas, sem marcar hora. Melhor para mim, melhor para ele. Dez horas depois ja estavamos em casa. Espero que tenha conseguido...

iglou disse...

Oi, Mônica. O que mais me assustou foi a maneira despudorada como o/as obstetras tratavam do parto normal como mercadoria que não compensa vender.

Oi, Vanessa. Agnes Maria ainda está dançando dentro da minha barriga grande. Amanhã entro na semana 36, ou seja, inicia-se o nono mês. Entendi que você não está no Brasil? Tenho curiosidade sobre você.

Vanessa Pesenti disse...

Oi, Lou. Nao estou no Brasil, moro na Irlanda desde 2011, casada desde 2013. Meu menino tem 13 meses. Espero que tenha conseguido um obstetra que tope o parto normal. Aqui tudo eh diferente, cesariana so acontece quando eh realmente a ultima alternativa. Parto natural e em casa eh supercomum. O meu foi normal no hospital, o que eh o mais usual. A obsessao com cesariana no Brasil so vai acabar qdo os convenios forem obrigados a pagar aos medicos um valor maior (ou pelo menos igual) pelo parto normal. Aproveite o ultimo mes, eh taaaaaoooo gostoso :)