terça-feira, 22 de julho de 2014

O jornal cheio de vazio

Sonhei que os donos e editores de jornal tinham consciência da importância do seu trabalho e valorizavam a inteligência de seus leitores. No meu sonho, os jornais tinham sido censurados pelos anunciantes que compravam espaço no jornal para vender sua propaganda. Como resposta à censura, a edição daquele dia que eu sonhei veio diferente: o jornal aberto media 2m de altura e quase um metro de largura. A maior parte desse espaço era preenchida de vazio, e as matérias, escritas em letra e tamanho normal, ocupavam pequenas manchas quadradas espalhadas de maneira pouco estética pela página.

Lembro de ter me admirado, durante o sonho, da engenhosidade: em vez de diminuir o tamanho do jornal (o que seria uma consequência necessária se não publicassem todos os anúncios, que devem girar em torno de metade de todo o volume informacional publicado no jornal), espicharam a folha e evidenciaram o vazio. Dessa forma, os anúncios não foram apenas retirados, mas substituídos por espaços vazios dez vezes maiores que os anúncios.

Acordei empolgada, achando que todo mundo tinha entendido a mensagem.

Um comentário:

Karin und Walter disse...

Toll! ich habe sehr gelacht. Wieder mal ein Kleinod.