sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Aniversário no dia das crianças

A chuva me acordou às 4 da madrugada. Fomos em 9 comemorar o aniversário da Fran (que não era a caçula ali) a trinta quilômetros de Porto Velho. Ao longo da manhã, nuvens pesadas desfilaram pelo céu. Ao meio-dia o céu se descortinou e ficou azul.
Depois de 3 anos em Rondônia, entrei na água de rio amazônida pela primeira vez hoje. Parece que esperei por uma ocasião especial para marcar a iniciação. A sensação de nadar no rio foi ótima, apesar de extremamente cansativa (a correnteza é forte, meu fôlego é ruim e faz muitos anos que eu não nadava).
Cheguei a engasgar e engolir um pouquinho da água, mas por sorte não era a água do Madeira. Diz a lenda que quem bebe a água do Madeira não sai mais de Porto Velho...
Fui dar uma voltinha pelo terreno do Salsalito e encontrei, no fim de uma aléia de bambu, um maracujá nativo. Coletei dois maracujás e voltei pra mesa. O maracujá era pequeno (3 dedos de altura) e se parecia com uma melancia. Nada disso me surpreendeu. A surpresa foi que o fruto era coberto por uma pelagem fininha, parecendo veludo. Narcísio logo quis saber onde eu tinha coletado a passiflora e buscou sua tesoura de poda enrolada num saco.

Nenhum comentário: