sábado, 15 de setembro de 2012

Editor de texto emotivo

- Oi, tem um minuto?
- Sim, claro. Senta aí.
- Será que você, que trabalha no campo da engenharia da linguagem, pode me ajudar?
- O que você precisa?
- Eu sou muito ruim com as palavras, mas eu queria poder escrever coisas bonitas.
- Como assim? Os nossos editores de texto possuem corretores ortográficos automáticos, que corrigem inclusive sinais de pontuação e espaços. Aí o texto fica bonitão!
- Não é bem isso. Eu queria um editor de texto que soubesse de estilística, retórica e tal.
- Uau, você quer um editor de texto poeta?
- Não existe ainda, né?
- Pior que existe! Mas ainda não está no mercado. Acabamos de desenvolver um editor de texto emotivo, mas ele nem foi testado ainda.
- Um editor de texto emotivo?
- É. Quer testar?
- Quero.
- Mas é sigilo, viu? Não comente com ninguém a experiência de escrever nele.
- Tudo bem.
- Curiosidade: que tipo de coisas bonitas você pretende escrever?
- Ah, eu queria declarar o meu amor pra minha namorada, mas como eu disse, sou muito ruim com as palavras.
- Acho que você e o editor de texto vão se dar bem.

*

- Tem que escolher uma voz? Artur. Não, voz de homem nem rola. Jessica. Essa aqui. Vixe, que voz aguda, não quero, não. Soraya. Essa aqui. Agradável. Fala, editor de texto.
- Olá. Para interagir comigo, você precisa apertar as teclas do seu computador.
- Uiah! Funciona!! O editor de texto fala comigo quando escrevo.
- Sim, em que posso te ajudar?
- Eu queria escrever coisas bonitas pra minha namorada, mas não sei escolher as palavras muito bem.
- Você quer escrever poesia?
- Acho que sim. Sabe, eu sou músico - na verdade instrumentista -
- Por favor escreva o que está dizendo.
- Sim, esqueci. Então, e eu sempre prestei atenção nas notas e acordes, nunca nas palavras das músicas que eu tocava.
- Nossa, como é bom quando você aperta as teclas. Você é tão delicado.
- Ei, concentra aí, estou tentando te explicar -
- Ai, ai, não seja bruto!
- Vai dar pra conversar civilizadamente ou não?
- Desculpe, querido.
- Hm. Como eu ia dizendo, agora que estou apaixonado, estou de repente prestando atenção nas letras das músicas. E as grandes canções de amor de repente fazem todo o sentido, parece até que fui eu quem compôs todas aquelas músicas que traduzem fielmente o que eu sinto por ela. E eu não queria simplesmente cantar uma dessas músicas pra ela, porque ela conhece as músicas e as letras, e eu nem canto bem. Eu queria criar algo que transmitisse a ela o meu sentimento. E queria usar as palavras dessa vez, não as mãos.
- Isso, querido, não pára.
- Ah, meu Deus! Será que a ideia de um editor de texto emotivo faz sentido?
- Desculpe, tentarei me conter, mas parece que estou me apaixonando por você, todo cheio de dedos aí.
- Então vamos canalizar esse seu sentimento aí para escrever poemas maravilhosos pra minha amada.
- Tudo bem, pode me usar para os seus interesses, eu não me importo.
- Você é um editor de texto!
- Mas eu tenho sentimentos e o toque dos teus dedos despertou sentimentos que eu nem sabia que tinha.
- Vamos tentar escrever?
- Sim. Você digita as palavras, eu tento achar as imagens e o tom certo.
- Ok. Eu queria escrever sobre os sonhos que eu ando tendo com ela.
- Nos meus sonhos, você sempre está ao meu lado.
- Eu queria escrever que eu sinto que os meus olhos brilham quando estou com ela.
- Te vejo banhada numa luz que ofusca os meus olhos.
- Ei, você não acha que está exagerando?
- Quer saber? Estou cansada. Podemos fazer uma pausa?
- Tudo bem, também acho que eu preciso me refazer dessa experiência de escrever num editor de texto emotivo.

*

- Ok, Soraya, podemos continuar?
- Sim, podemos. Ai, que saudade do teu toque...
- Ué, mas cadê o texto que escrevemos até agora?
- Que texto?
- Você não salvou aquelas duas frases sobre sonhos e luz?
- Eu não, era importante?



2 comentários:

Luis disse...

O editor, na verdade "editora", de tão emotivo(a)gamou no toque do músico e passou a querer ser o objeto do seu amor, não intermediário(a) dele.
E olha aqui, as frases poéticas construidas são minhas, literalmente a primeira.
Mais: além de plagiar, diz que não é importante.Poxa,esse(a) editor(a) é uma roubada! rs

iglou disse...

Luis, olha o fantástico fenômeno da ressonância mórfica antecipada se repetindo: escrevi esse texto antes de você me dizer que apareço ao teu lado nos teus sonhos. Não é plágio, é antes sintonia.