segunda-feira, 14 de maio de 2012

Baile de discursos

Auditório da OAB em Porto Velho
Descobri que existe uma nova modalidade de baile de máscaras. O evento é divertido, faz rir e chorar e provoca a curiosidade dos convivas em saber quem é quem. As roupas são de gala, afinal se trata de uma festa. Há troca de lugares, quase dança das cadeiras.
Solenidade em que a vice-reitora em exercício passou o exercício para a reitora eleita
As máscaras são os discursos. As lantejoulas que brilham são a habilidade do orador de proferir o seu discurso, seja ele lido ou decorado. Algumas máscaras não têm lantejoulas, ao passo que outras ofuscam e impressionam. As cores são as modalizações de voz. Cores vivas e agressivas são os conselhos furados dados em alto e bom som. Cores pastel, meio aguadas, são as cores que hesitam entre lágrimas, pausa e a continuidade do discurso. Cores escuras enfeitam os feitos hercúleos do orador, ao passo que cores alegres decoram o cinismo debochado de quem ri e faz rir do caos que não é capaz de administrar.
A vice
O crime que tradicionalmente procura o baile de máscaras como palco não é um crime de sangue. Ninguém morre nessa festa, nem se pode mais falar de crime, porque todos vão ao baile na expectativa de serem enganados pelas máscaras. Desse modo, as falsidades, baboseiras e mentiras proferidas viram motivo de elogio. As máscaras são aplaudidas.
A reitora

Nenhum comentário: