sábado, 16 de abril de 2011

Gatos e trote

Eu passei quatro noites seguindo as pegadas dos gatos que andavam pelo forro. Já tinha localizado as duas portinhas de acesso ao forro, já tinha subido na escada e já tinha desanimado de explorar aquele submundo. Chamei o dedetizador, pra que ele jogasse veneno contra as formigas e capturasse os gatos no forro. Achei melhor que um profissional me livrasse dos gatos. Pedi que viesse de manhã, porque eu tinha que dar aula de tarde.

Às 10:30 tocou o telefone. Era uma mulher que iniciava todas as sentenças com "assim" e tinha sotaque gaúcho. Disse que tinha notado que eu tinha feito um pedido de internet Oi, mas que a previsão de disponibilidade de porta de internet para a minha região era de 7 a 8 meses. Disse depois que a Oi tinha uma parceria com a Claro, e que a Claro estava me oferecendo uma promoção de internet móvel ("assim, a senhora pode acessar a internet de qualquer lugar: na cama, por exemplo"), já que eu estava sem internet à vista.

Tocou a campainha. Era o cara que ia subir no forro. Pediu um saco, dei-lhe a caixa de transportar gatos.

"Assim, vamos fazer o cadastro?" Perguntei se eu não podia comprar essa internet móvel que ela tava me oferecendo na loja da Claro. "Assim, não, porque eu estou ligando da central, e pode ser que na loja os atendentes não saibam dessa promoção em que a senhora vai adquirir o modem gratuitamente e vai pagar metade do valor da mensalidade nos dois primeiros meses".

Correria, gritaria desesperada e tumulto no forro. O homem desceu com um filhote de gato na caixa. O outro tinha caído de lá de cima, pela portinha de acesso ao forro e foi recolhido atrás da porta do banheiro. Meu coração encolheu. Desconfiei que aqueles não eram os únicos filhotes no forro, mas não desconfiei que estava sendo vítima de trote pelo telefone.

Dei os meus dados cadastrais pra moça, achando que o meu problema de internet tinha uma solução no horizonte. Liguei pra Oi, pra cancelar a internet e expliquei que tinha acabado de receber uma ligação de uma moça da Claro, falando da parceria entre Oi e Claro. A atendente não confirmou essa parceria.

A gata mãe subiu ao forro, percebeu a ausência de dois filhotes e a lamentou em tons agudos. Quando quis sair de casa pra ir na Unir, ouvi filhotes de gato no forro. Perdi o receio de subir no forro, armei a escada, me contorci naquela sujeira e identifiquei dois gatinhos. Não consegui alcançá-los, estavam num lugar grande pra eles, pequeno pra mim.

Liguei na Claro, pra saber se eu tava cadastrada em alguma promoção. Fui transferida para quatro atendentes de setores diferentes. A última quis me transferir de novo, mas tive a paciência necessária para explicar o meu pedido pouco comum. "A senhora não está cadastrada em nenhuma promoção, nem plano de internet móvel".

Os dois filhotes aprisionados na caixinha dormiram na varanda e foram alimentados com o líquido da comidinha mole. Imagino que a mãe lhes tenha passado instruções de como se alimentar pela grade. Mantive os dois gatinhos presos, porque pretendia usá-los como chamariz para atrair seus dois irmãos instalados no playground do forro. O que eu faria com os quatro filhotes ainda não estava decidido.

Fui na 7. DP (bem pertinho de casa) e fiz BO do trote de que fui vítima, porque esses dados que eu passei pra moça assim pelo telefone são equivalentes à perda dos meus documentos pessoais. Não sei o que os outros podem fazer com essas informações.

A gata mãe estava no jardim, medindo olhares comigo. Subi no forro com a caixa dos dois filhotes bravos. Silêncio total, nem sinal de gatinhos livres.  Desci, armei a escada no outro acesso ao forro, verifiquei que não havia filhotes no forro. Ponderei que a gata mãe não considera mais o forro como um lugar seguro para os filhotes. Levei os filhotes presos no jardim, depositei-os perto dos outros três gatos (dois pretos e um siamês) que moram no jardim.

Não sei o que fizeram ou pretendem fazer com os meus dados cadastrais, nem se a gata mãe já encontrou seus dois filhotes libertados.

5 comentários:

Mônica disse...

ih, Lou, mas os gatinhos ainda são pequenos? Porque, se forem, é bem capaz que os gatos adultos os matem.

De qualquer jeito, já conseguiu fechar por onde eles entram em seu forro? Vi, essa semana, uma mulher que enfrentou um problema parecido com o seu, só que a população felina, no forro da casa dela já passava dos 20 gatos!

iglou disse...

Os gatos moradores do jardim (os dois pretos e o siamês) são adolescentes e super tranquilos.

O forro todo é vazado, teria que botar tela em tudo. Quem entra e sai do forro sobre as próprias patas é a gata mãe, não os filhotes. É muito alto.

odir disse...

der weg ist das ziel. relaxa, os gatos se encontram. dados vazados são mais preocupantes. mas gostei da história de ir dar aulas de bermudas de ciclista. não posso fazer isso, tenho que colocar gravata antes de entrar na sala. e onde dou aulas não há vestiário, chuveiro, nada.

Ulla disse...

Du bist wirklich tapfer, Hut ab!! Selbst die Pioniere im Wilden Westen hatten es besser, weil sie in Gruppen
den Unbilden des neuen Lebensraums entgegentreten konnten.
Ich wünsche Dir, dass alles gut ausgeht.

iglou disse...

Danke, Ulla.