segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Segundo turno

Quando parei de acompanhar a apuração on-line, tudo indicava que haverá segundo turno. Quando 99,89% dos votos tinham sido apurados, Dilma estava com 46,88% e Serra com 32,62% dos votos. O fato da Dilma estar na frente não me surpreendeu. O fato do PSDB estar em segundo lugar não me alarmou. O que me assustou foi o número de abstenções: 24.686.101 aos 99,9% do processo de apuração. Isso é muita gente (e eu estou aí no meio, porque não transferi o título) justificando ou simplemente não comparecendo às urnas.

Será que não é hora de encarar o voto como um direito, e não uma obrigação? A multa por não votar é irrisória (pra quem simplesmente não votou) e a migração interna no país é grande. Agora existe a possibilidade do voto "em trânsito": a pessoa vota longe de sua zona eleitoral, mas essa categoria ainda não colou. Por isso as justificativas.

Se não fôssemos obrigados a votar, a eleição talvez fosse um momento de mudança: quem vota na direita e nos tucanos por falta de imaginação, talvez não votasse.

2 comentários:

Mônica disse...

Eu ainda defendo que o povo brasileiro deveria deixar de votar. Nenhum dos candidatos é adequado para governar o Brasil. Nenhum deles tem ficha limpa. Nenhum deles tem capacidade para assumir o cargo.

Se todos os brasileiros se rebelassem, pode ser que ainda assim tivéssemos um presidente, mas a representatividade seria questionada internacionalmente. Acho que, assim, poderíamos ter uma revolução pacífica.

Matias Mickenhagen disse...

Não concordo Mônica, acho que há candidatos qualificados. Mas há um descaso em relação ao pleito, as pessoas se sentem zuadas, e zoam votando no tiririca. Ai tenho que concordar com ambas, talvez votar seja para quem queira acordar cedo e votar e não para quem é obrigado a isso.