sexta-feira, 5 de março de 2010

Mostre-me tuas telhas

... e te direi onde moras.

O pedreiro que subiu no telhado voltou dizendo que precisa trocar umas 10 telhas. Resolvi comprar logo umas 20, pra garantir. Levei uma telha na loja, pra não ter erro.


Ih, essa Carmelo aí é telha antiga, não vende mais. Vinha lá das Minas Gerais. Telha boa, mas aqui não trabalha mais com ela, não. A senhora mora na Vila da Eletronorte, né? Só lá que tem casa com telha de barro, ainda mais dessas antigas. Faz o seguinte, talvez a senhora acha essa telha ali na esquina. Mas vai ser usada, viu? Porque nova não tem mais aqui em Porto Velho. Mas daí é só lavar e tá novo de novo.


Fui lá, na esquina, perguntar se tinha. Disse que quando parasse de chover, teria. Por enquanto, só tinha uma que era parecida, mas não era igual. Me explicou que quando o sujeito resolve trocar as telhas do telhado, ele aceita as telhas velhas como parte do pagamento. Mas quem vai trocar telhado vai esperar a época de chuva passar, pra não correr risco.
Me vendeu 20 telhas das semelhantes à Carmelo. São tão largas quanto, mas mais curtas. Se colocar essas daí no beiral, não tem problema.

Um comentário:

Mônica disse...

Lou, aqui em casa tivemos o mesmo problema. Como a casa é da década de 50, não existem mais telhas no mesmo tamanho. A solução, para gastar menos, foi aproveitar as telhas inteiras em uma banda do telhado e comprar novas telhas para a outra banda.

Se vc não conseguir as telhas para o seu telhado, talvez essa seja a solução mais econômica.