quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

É que choveu

A chuva aqui é desculpa amplamente distribuída e aceita para um monte de atrasos e omissões.

Quando eu pedi na pet shop que me entregassem o Shaoran em casa antes das 16:00, o sujeito chegou às 17:00 com um sorriso amarelo: Atrasei. É que choveu. Ok, o moço estava de moto e o gatinho estava numa caixa em que poderia entrar água. Sabemos que gatos não são muito fãs de água.

Toda a correspondência de Natal que chegou em Porto Velho depois do dia 24, só foi entregue aos seus destinatários no dia 30. Isso porque 25 foi feriado, depois veio o fim-de-semana e depois choveu por 2 dias. No penúltimo dia do ano, a cidade estava cheia de homens de uniforme amarelo, entregando a correspondência. O Sedex que a minha vó despachou de Gramado, a 3.674 km daqui no dia 16 só chegou até mim depois de duas semanas. Pior que isso só o Sedex de inscrição pro Mestrado em Letras postado dia 16 de Humaitá, a 206km daqui (pela estrada!), que chegou dia 31.

Ainda não recebi o pacote de Natal dos meus pais, nem os livros que pedi pela Estante Virtual. Essas coisas vêm pelo Correio. Um livro, que posso rastrear pelos Correios, já chegou na central de Porto Velho e já teve saída e depois 'saída não efetuada' nos dias 31, 5 e 6. É que choveu.

Hoje eu fui lá do outro lado da cidade, buscar o livro que os carteiros não conseguem me entregar. O homem disse que não estava naquela central, mas na outra, da Av. Amazonas. Enquanto isso, o carteiro passou em casa e eu estava ausente. Mas ele não deixou recado, como sempre deixa. Talvez tenha acabado o bloquinho de papéis em que ele avisa sobre a tentativa de entrega. Fiquei sabendo dessa minha ausência pelo rastreamento dos Correios.

Já a Livraria Saraiva tem convênio com empresas de entrega, tipo a Fedex. No caso, é a JadLog. Quando cheguei em casa às 11:15, vi um bilhete deixado pelo funcionário da JadLog, escrito às 11:00. Liguei pro número anotado e pedi pra ele voltar. Mas ele já estava do outro lado da cidade, então fiquei de pegar a encomenda na empresa. O rapaz ainda disse que já tinha tentado entregar ontem. Reclamei que ele não tinha deixado recado ontem. Ele respondeu que não dava nem pra sair do carro, porque a rua toda tava alagada. É que choveu.

Estou tentando sair dessa casa que alaga e me mudar para uma casa que não alaga e fica mais perto da Unir, mas foi habitada por 4 estudantes do sexo masculino nos últimos 3 anos. Para que eles possam sair da casa, precisam fazer uma reforma (pintura, infliltração e sinteco no piso). Para sabermos o que precisa ser reformado e quanto custa essa reforma, é necessário fazer vistoria. Ontem de manhã conseguimos juntar o vistoriador, um antigo inquilino e um pedreiro (o Berg). O inquilino assinou a vistoria, mas ainda precisa concordar com o orçamento. O vistoriador e o pedreiro entregariam o orçamento de tarde na imobiliária. Mas como de tarde choveu, e os dois andam de moto, o orçamento foi entregue hoje. É que ontem choveu.

Um comentário:

Mônica disse...

rs

Suas crônicas são ótimas, Lou. Vc consegue brincar até com coisa séria.

:-)