domingo, 22 de novembro de 2009

Tenho poder

Como professora de Produção de Textos, tenho poder. Tenho o poder de decidir que os meus alunos não escreverão redações sobre liberdade de expressão, o certo e o errado, a mulher na sociedade brasileira e outros temas abstratos.

Posso pedir que escrevam sobre temas concretos e atuais que me interessam (poluição, meio ambiente, lixo, minha saúde). Posso informá-los a respeito do tema antes de cobrar que argumentem sobre ele. Foi o que eu fiz.

Eu não pedi que escrevessem sobre o aquecimento global e a emissão de poluentes por automóveis. Não pedi que escrevessem sobre as vantagens do uso da bicicleta. Tenho consciência de que, indo pra Unir de bicicleta, sou um exemplo de que é possível não poluir para se deslocar. Não espero que façam o que eu faço, porque imagino que 13km sejam mais longos de Barra Forte do que de mountain bike.

Também não pedi que escrevessem sobre alimentos industrializados, porque sei que eles reconhecem comida (tanto é que a consomem) naquelas embalagens plásticas, coloridas e brilhantes.

Pedi que escrevessem sobre sacolinhas plásticas. Forneci informações sobre os números de sacolas plásticas produzidas anualmente no Brasil (1 bilhão) e no mundo (500 bilhões), a média mensal de consumo de sacolinhas plásticas por cidadão brasileiro (66 sacolas) e o número de anos que uma sacola leva para se decompor (aproximadamente 300). Falei de reciclagem e reutilização e apontei que apenas 0,6% das sacolas plásticas é reciclado. Notamos que a maioria das sacolas plásticas vai parar no lixo e lembramos que a nossa cultura de lixo é muito precária. Não só porque Porto Velho não tem coleta seletiva de lixo, ou porque as pessoas daqui nunca ouviram falar em compostagem, mas porque existe muito lixo solto nas ruas. Falei da minha casa que alagou (provavelmente) em função do entupimento do esgoto por plásticos. Falei também de países que aboliram as sacolas plásticas justamente por causa das enchentes, além de outros países que passaram a cobrar pelas sacolas plásticas.

Tenho o poder de esclarecer os meus alunos sobre a sua condição de poluidores. Tenho o poder para fazer com que escrevam textos argumentativos em que o objetivo é mudar a política de uma rede de supermercados. Espero ter o poder de fazer com que rejeitem sacolas plásticas de agora em diante.

Minhas fontes:

Não às sacolas plásticas
Sacolinhas plásticas em números (e que números!)
Saco de plástico
As sacolas de plástico devem ser substituídas?
Saco é um saco

7 comentários:

Leonardo disse...

é tão fácil diminuir o consumo de sacolas plásticas. Minha mãe ainda usa, mas depois que eu coloquei uma sacola do tipo "retornável" no carro dela ela diminuiu muito o consumo (que ainda continua). Comerciantes aqui então me olham com cara de espanto quando eu trago minha sacola ou não aceito a plástica pois muitas vezes você nem precisa de uma de fato.

não foi uma redação mas um pouco da minha experiência : )

Juliana disse...

Na rede Pão de Açúcar ganho 5 pontos cada vez que levo a minha sacola de palha!
legal a sua iniciativa de tornar seus alunos mais ecologicamente corretos.
Bj

iglou disse...

Pois é, aqui não tem Pão de Açúcar ou qualquer outra grande rede de supermercados preocupada com o meio ambiente. As grandes redes daqui se chamam Gonçalves e Irmãos Gonçalves. Em ambos, há duas empacotadoras por caixa. Ou seja, sacolinhas plásticas não são só óbvias, como compulsórias.

Quando um pacote de papel higiênico, por exemplo, não cabe mais na minha mochila de compras, elas metem o pacote em duas sacolas plásticas. E eu tiro, levo na mão e ponho na cesta da bicicleta.

bill disse...

É isso aí Lou, você não tem apenas Vontade de Poder, como tem O Poder!

:D

Anônimo disse...

Jura que o sugarbread tá preocupado com o meio ambiente.
Papéis absorventes não são reciclàveis.
Apenas 0,4% do lixo brazilis "coletado" é reciclado.
Não há falta de humanos individualmente educados, mas de coletivamente "limpos".
O problema não é o descarte é o consumo. Deve ser por isso que quase não se encontra alimento sadio nesses picos.
Combustíveis adulterados - energia idem.
Acho demais suas iniciativas
Abraço forte pedalada fraca.

Integral8

iglou disse...

Ok, percebi o meu lapso. O Pão de Açúcar não é necessariamente ecologicamente correto só porque investe na imagem de preocupado com o meio ambiente.

Sei que os produtos eco não são necessariamente ecológicos. Nenhum carro, por exemplo, é ecológico.

Concordo contigo que não somos coletivamente limpos. Aliás, gostei dessa expressão.

Mazu disse...

Como vc mesma diria: da hora!