sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Empossada

A cerimônia de posse foi um momento solene, mas em tom de conversa. O reitor da Unir lamentou a demora da nossa contratação, explicou que estamos em estágio probatório por 3 anos e lembrou que entramos em regime de dedicação exclusiva, o que nos impede de trabalhar para as universidades particulares, que podem vir a nos assediar.

Pedalei até a Unir com um memorando na mochila. A paisagem até lá fantástica, mas o cheiro de carniça, o lixo (pedrinhas, cacos de vidro, arames, parafusos etc.) no acostamento, o sol do meio-dia e as duas subidas respeitáveis conduziram os meus pensamentos à borda externa do meu otimismo. Cheguei muito vermelha e muito suada. A mulher na cantina me deu a garrafa de água gelada informando: Você vai estourar.

O meu chefe é o chefe de departamento de Línguas Vernáculas. Por enquanto o departamento só tem Português, mas quer introduzir os vernáculos indígenas daqui, o que eu acho muito supimpa. As aulas já foram atribuídas aos professores, portanto só vou pegar os excessos do próprio chefe de departamento. Pelo que entendi, vou dar aulas de Texto pra galera da Biblioteconomia, Física e Letras Português. Começo semana que vem.

Minha vaga é da UAB, o que significa que eu precisaria dar aula de Ensino à Distância, mas acaba que eu sou da Unir, respondo ao meu chefe de departamento e não tenho obrigação de fazer EAD. Mas como quem está assumindo a EAD é a Iracema, que está precisando de ajuda braçal, vou dar uma mão pra ela, porque ela é gente boa. O que eu tenho que cumprir são 2 turmas por semestre, entrar prum grupo de pesquisa, publicar 1 artigo por ano e esperar a Extensão se recuperar.

2 comentários:

Phil i peta disse...

Línguas Vernáculas?

uai...

E o Siddhu é o mais velho dos dois? Que mudanca extrema, heim!

Ca(ss)ula.

hehe!

iglou disse...

Filipeta!
Sim, vernáculas são as línguas faladas num lugar. Acha que no Brasil só se fala português?

Sim, Sidharta é o mais velho dos dois.