quinta-feira, 2 de julho de 2009

Muito Bollywood

Existe uma fórmula para os filmes de Bollywood. Uma fórmula que dita que o último nó da trama se desata nos 4 últimos segundos do filme que dura em média 2 horas e 40 minutos. A maioria dos filmes tem como tema o casamento e o clímax é a cena de casamento. A honra da moça e da família dela mais a bandeira indiana são os pilares principais de filmes de Bollywood. Parece novela mexicana. A maquiagem não é tão pesada, mas a atuação é tão teatral quanto e os melodramas são tão emocionados quanto. Os filmes são todos em Hindi, uma das línguas principais da Índia, e não em Inglês, a outra língua principal falada na Índia. Talvez mais pra marcar e sustentar o nacionalismo, mas uma opção interessante: eu já aprendi algumas palavras em Hindi.

A cada não sei quantos minutos uma cena musical dá seqüência ao filme. Aí o galã contracena com a sua musa que dubla uma voz muito aguda. Ambos dançam danças coreografadas do tipo Macarena, ou o que a Xuxa fazia com as Paquitas dela. São clipes, que a pessoa pode achar no Youtube. As músicas continuam a estória do filme, mas o cenário pode mudar do nada.

Em Hulchul, por exemplo, o casal "canta" e dança contra um fundo europeu. E não há nenhuma lua de mel que explique a localidade (cabaninhas suíças, fachadas de hotel austríaco, entrada de metrô inglês). Ainda neste filme, as cenas de violência - que são muitas, afinal trata-se da rivalidade entre famílias tradicionais e um amor aí no meio - são hilárias. Senti falta de balões de quadrinhos com as onomatopéias POW, PLAFT, TCHAK, TAPISH.

Já quando vi Dhaai Akshar Prem Ke, tive a constante sensação de já ter visto o filme. A mocinha aparece em casa com um bonitão que é tido como o marido dela e ele não desfaz o engano porque se sente acolhido pela família. E quando revela que não é o marido dela, já é tarde demais e todos ficam sonhando acordados, suspirando pelos cantos. Para 'salvar a honra da moça', o pai resolve casá-la com outro cara. Dramático.
Mas quem me motivou a insistir nos filmes de Bollywood foi Shah Rukh Khan. Ah, Shahrukh Khan (a grafia vareia)! Na Alemanha, o fã-clube desse ator de Bollywood é maior que o de Brad Pitt. A filmografia desse sujeito é impressionante. Desde 1992 ele faz uma média de 4 filmes por ano! E constantemente recebe prêmios de melhor ator. Em Om Shanti Om ele faz um pretendente a herói cinematográfico, morre e reencarna como estrela de cinema. Dois papéis diferentes no mesmo filme não é pra qualquer um.
O filme que mais valeu a pena, que eu admiro mesmo, não segue a fórmula de Bollywood. Está mais para Slumdog Millionaire que pro Bollywood convencional. Shahrukh Khan faz o jogador de hockey escurraçado pelo público depois de uma derrota contra o Paquistão que volta depois de 7 anos para treinar o time feminino de hockey. Chak De India é um filme que discute a questão Índia-Paquistão, a unidade nacional, o papel da mulher na sociedade indiana e no esporte, hockey e cricket, união de um time, entre outros assuntos que não se espera de um filme feito em Bollywood.
Claro que tem final feliz, como todos os filmes de Bollywood, mas não tem o casal "cantando" e dançando, porque não tem casal. Tem música, mas ela está mais pra trilha sonora que pra clip.

Nenhum comentário: