quarta-feira, 22 de julho de 2009

Eu não pareço com você

Entrei no salão onde servem o café da manhã. Ar condicionado no modo polar e ventando. Peguei só frutas e sentei numa mesa vazia. Um hóspede se virou todo sorridente e me perguntou se eu era estrangeira. É porque às vezes vem estrangeiro e não tem com quem conversar. Desculpa incomodar.
Não sei se ele percebeu que eu não queria conversar ou se a minha cara já expressava o embrulho do meu estômago.

Fui na Unir, ver o que já posso adiantar e o funcionário do depratamento de Recursos Humanos me perguntou o meu nome. Lu, mas escreve ele-ô-u.
Ah, lembrei de você, seu nome é diferente.
Senhoras e senhores, eu estou num lugar em que Carene, Cheila, Dhillen, Elvis, Fredy, Glícia, Leir, Nefy, Aedjota e Lowrana são comuns. E o meu nome é que é diferente.


Quis entrar nas interneta e pedi ajuda na recepção do hotel. Um cara sentou do meu ladinho e ficou mandando eu clicar nos ícones que ele reconhecia, apesar de não se ligar em que língua estava o computador. Veio outro, que tirou o laptop da minha mão e foi logo avisando que não entendia esse inglês. Avisei que era alemão e ele ficou mais orgulhoso de si mesmo ainda: mexi no computador em alemão, não entendi nada, mas consegui colocar ele na rede.

Agora que já sei identificar diferentes tipos de nuvens, graças ao meu manual de previsão do tempo e clima, reparei em várias nuvens de cirro, que são aquelas que parecem ter sido traçadas com um pincel. Havia também muitas nuvens do tipo estrato-cúmulo, que é o 'céu de brigadeiro', ou de ovelhas. Mas o que mais tinha eram nuvens do tipo cúmulo, que são baixas e anunciadoras de chuva. A base delas é reta e cinza e o topo delas é volumoso, meio couve-flor. Mas será que vai chover aqui, no inverno, depois de um mês de seca? Choveu um pouquinho de tardinha. Quem diria?

Fui em várias imobiliárias, liguei em outras tantas, e sempre vinha a mesma resposta: não tem casa pequena pra alugar. Tá tudo alugado. Apartamento também. Não sei o que aconteceu, mas nas últimas semanas todas as casas de até mil reais foram alugadas. Eu sei o que aconteceu: a galera dos 4 editais que foi chamada antes de mim já se estabeleceu. Os agentes imobiliários me ofereciam casas de 3 mil reais, apartamentos de 8 mil.

Andando pelas ruas, não sou nem olhada como turista. Sou considerada gringa e nem disfarçam sua curiosidade. Minhas roupas, o jeito de andar, a minha estatura e a pele branca em processo de avermelhamento são diferentes.

Achei uma imobiliária que ainda tinha casas por menos de mil reais. A moça me daria as chaves das casas em troca de um documento. Eu teria que voltar em 2 horas.
Você vai a pé? Não dá tempo. Pegue um taxi. Ok, vamos ver o mapa. É, dá pra você ver essas duas casas aqui, que são perto daqui.


Voltei em uma hora. Achei uma casa que é a minha cara, mas ela precisa de uma reforma séria. As janelas não têm vidros inteiros, as paredes precisam de pintura e o piso está parcialmente quebrado. Mas então por que você se interessou pela casa? Ela é grande, tem jardim-selva nos fundos e o bairro parece calmo.

Nenhum comentário: