quinta-feira, 23 de julho de 2009

Enroscada na imobiliária

A inquilina que tinha habitado a casa que eu estou pra alugar saiu e deixou o caos instalado naquele endereço. A gestora de locações quis correr atrás dessa moça e lhe cobrar os 3.400,- que custaria a reforma. Telefonou pra ela na minha presença e marcou de se encontrarem hoje na hora do almoço. Comigo a mulher marcou às 14:30 de hoje.

Quando cheguei, logo avisou que a moça não tinha vindo. Me mostrou o orçamento e combinamos de eu pagar 3 meses adiantado, porque não tenho fiador. Ela usaria esse dinheiro pra iniciar as obras de reforma. Ligou pro Berg (de Gutemberg), que é o eletricista, encanador, pedreiro, carpinteiro e marceneiro que a imobiliária sempre chama. Combinou de ele me encontrar na casa às 16:30. Pedi que ela me escrevesse um comprovante de residência e me desse a chave da casa, que tinha sido reservada pra mim. O papel ela escreveu numa boa, a chave é que foi difícil. Uma das agentes imobiliárias tinha dado a chave prum cliente visitar a casa. O cliente tinha uma hora e meia para devolver a chave. Os celulares Claro estavam bloqueados.

Fiquei pasma de ver a gestora de locações em ação. Ela atendia uma cliente nova, conversava comigo, insistia pra que ligassem pro cara da chave e ainda atendia o telefone. Polivalente, essa mulher, multifuncional. Quando deu 20 pras 4, uma das agentes me pediu pra ir à casa, porque ela tinha chamado o chaveiro que abriria a casa pra mim e estaria lá em 20 minutos, que era o tempo que eu precisava pra chegar lá a pé.

Fui. O chaveiro já estava lá, encostado numa sombrinha. Abriu o cadeado do portão com arames. Abriu a porta da casa com os mesmos grampos de cabelo. Rapaz, tu abriu as portas com dois grampinhos?! É, isso aqui é dois grampos e 22 anos de experiência. Foi embora e me deixou na casa aberta.

Logo depois chegou o Berg que me desaconselhou a entrar na casa enquanto a reforma rolasse, e também achou absurdo eu querer deixar as minhas coisas na casa e ir a São Paulo. Ofereceu de eu deixar a mala na casa dele. Trancamos o portão com um cadeado grande que tava na moto do Berg, porque ele não confiou que a chave que tava na mão do cara voltasse a tempo. A porta da casa ficou destrancada mesmo. Não me ofereceu carona na moto dele até a imobiliária porque não tinha trazido capacete extra. Combinamos de nos encontrar na imobiliária pra acertar o pagamento e início da reforma.

Cheguei na imobiliária e nada do Berg. A agente imobiliária riu na minha cara e disse que o cara que tava com a chave da minha casa tinha acabado de sair de lá pra ir na casa, me dar a chave. A gestora de locações já tinha saído e não voltaria mais. Celulares Claro bloqueados. Conseguiu falar com o Berg, que tinha me esquecido e ido numa obra que ele tava acompanhando. E agora, como faz pra eu pagar? Me deu um papel com o número da conta do irmão anotada. Depois me deu um recibo no valor de 3 aluguéis.

Quando cheguei no hotel, já estava escuro.

Nenhum comentário: