terça-feira, 23 de junho de 2009

O preço das coisas

O preço das coisas é uma coisa. O valor das coisas é outra coisa, que envolve o custo de produção daquela coisa. Para mais informações sobre o valor das coisas, consulte Marx. O que me incomoda é o preço das coisas, porque ele varia. Não só varia de um vendedor para outro, como de um dia para outro na mão do mesmo vendedor. Acho uma droga ter que pagar mais caro no cinema nos fins de semana, que é quando os meus horários são compatíveis com os horários estabelecidos pela indústria do entretenimento. Acho um saco o vendedor me avisar que o produto que eu quero saiu da promoção no dia anterior. Mas o que mais me irrita é quando o preço anunciado na prateleira não confere com o preço registrado no código de barras.

O cliente raramente sai ganhando com essa disparidade. Lembro que quando eu era adolescente, fui pedir emprego em loja de shopping (bah... como a vida muda a gente!). Trabalhei um dia na loja - e não recebi por isso! - e vivenciei uma cena bizarra. Uma cliente finalmente se decidira por uma calça, depois de experimentar trocentas calças. A vendedora passou o código de barras no leitor. Preço: R$ 1,00. Se a cliente não tivesse visto aquele preço, teriam inventado um bem diferente. Mas ela tinha visto o preço e já tinha separado uma nota de R$ 1,-. A gerente veio voando, cafezinhos apareceram magicamente na mão da cliente, foi comprovado que não havia preços nas estantes e foi confirmado que a vendedora não tinha informado o preço para a cliente durante o atendimento. A cliente pagou a calça com aquela nota que ainda segurava na mão e assim que ela pôs o pé pra fora da loja, iniciou-se a mega operação de retirada de todas as peças das estantes para conferência de preço. Só uma outra peça custava R$ 1,-.

Comigo acontece o inverso. Eu chego na prateleira das águas e procuro muito até achar uma garrafa de água de 500ml que custe menos de R$ 1,00. É só isso que eu vou comprar, e acabo bebendo a água enquanto espero na fila do caixa. O homem passa a garrafa vazia no leitor e a tela do computador acusa R$ 1,43. Não, era R$ 0,89. O atendente de caixa acende a luzinha do caixa, alguém uniformizado vem, olha pra garrafa e volta com uma etiqueta. R$ 1,23. Não, olha só, a etiqueta é referente à garrafa de 300ml, essa água que eu tomei era de 500ml. Quer levar a garrafa, pra você identificar o preço mais fácil? Enquanto o sujeito vai, o caixa pergunta quanto que era mesmo que eu tinha visto, computa R$ 0,89, aceita a moeda que lhe dou e me volta R$ 0,10.

Todos os produtos em oferta são potenciais candidatos a discrepâncias, portanto nunca pego mais de 3 produtos em oferta. Minha capacidade de memória para números tem essa limitação. Não é miséria aguda ou sovinice crônica. É recusa de me deixar enganar na cara dura. Ultimamente os casos em que havia diferenças entre o preço na prateleira e no caixa foram mais numerosos que os casos em que os preços conferiam.

Num trailer de filme nacional aparecia a sentença (ou algo equivalente):
Aprendemos que roubar é feio, mas não aprendemos a não ser roubados

4 comentários:

Bio disse...

Não faz muito tempo, ocorreu um problema no site da FNAC e todos os produtos estavam com o preço de R$ 9,90. Cheguei a comprar um produto mas a loja alegou que havia uma discrepância nos valores..tive que concordar, afinal era uma televisão de plasma de 50 polegadas..rs.

iglou disse...

Hahahahahahaha!!!!Muito bom!

Anônimo disse...

Bom dia!! me chamo Camila, estou atualmente na Italia, antes de tudo quero dizer que adorei seu blog, entao.... Vou falar resumindo, eu estou construindo galerias em Fortaleza CE, com um sòcio, e descubri que ele està me roubando sobre de tudo, atè na avaliaçao para pagar o ITBI do terreno, procurei no site da SEFIN e imprimi, para que eu tivesse provas de que ele me roubou quando eu voltar p/ o Brasil, em fim ele me deu uma lista de preços de materias de construçao, que è um absurdo.... O real motivo desse meu comentario è que eu nao consigo ver na net o preço de um item, jà liguei para algumas casas de construçoes e nenhuma delas tem esse produto, se voce pudesse me ajudar?!! O material è uma caixa d'dagua FORTLEV, polietilene de 250 litros... O preço dado por ele foi de 160,00. Muito obrigada

iglou disse...

Camila,
me dê tempo até a semana que vem. Eu mesma estou querendo trocar a minha caixa de 500. O pedreiro disse que a minha custaria R$ 250, então R$ 160,- não está tão fora assim. Mas eu vou verificar pra ti. Semana que vem.