quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Bicicleta na nova rodoviária de Campinas

Quando fui à rodoviária pra comprar passagem, prendi a minha bicicleta na grade de frente pra entrada da rodoviária. Ninguém reclamou. Também, não tem lugar próprio pra bicicleta (paraciclo ou bicicletário), não tem por que reclamar mesmo.

Quando fui com a bicicleta pra Balneário Camboriú, fiquei muito preocupada com a bicicleta na nova rodoviária de Campinas. Tem que subir escada, depois descer escada. E pra descer pras plataformas de embarque, tem que passar por uma catraca onde tem alguém controlando a passagem (pra que não haja pessoas que não vão embarcar na plataforma). E tem gente uniformizada com walkie-talkie pra todo lado. Como vai ser, passar por tudo isso com a bicicleta?

Tranqüilo. A moça que aperta o botão do elevador sorriu pra mim, as pessoas lá em cima ficaram curiosas em relação à minha bicicleta, (talvez tenham feito planos de viajar com a bicicleta deles pralgum lugar), a moça na catraca abriu uma porta, como se todo dia houvesse pelo menos 20 ciclistas passando por ali com seus veículos.

Pedalei os 9,8km (agora que tenho ciclocomputador, minha vida ficou mais divertida) até a rodoviária (em 32 minutos) e prendi a bicicleta na grade, de frente pra entrada. Depois de guardar a chave dos cadeados da Amarilda, um moço veio sorrindo, walkie-talkie na mão, dizendo que não podia botar a bicicleta ali. Avisei que só ia comprar passagem e já voltava. Se fosse por mim, não tinha problema, eu até olhava a sua bicicleta pra você, bonita, essa bicicleta! mas os hóme num dêxa, vai tudo perguntá de quem que é a bicicleta, e aí já viu. Mentalmente, construí uma cena paralela: Moça, isso aqui é uma igreja, não pode entrar de bicicleta. Tá certo que você é a noiva, e por mim tudo bem, eu até casava com você, mas o noivo não vai gostar de ver você assim, de bicicleta. Olhei em volta, procurando um poste mais distante da rodoviária, e ele propôs a solução: leva ela com você.

Subi de elevador com a bicicleta, atraí olhares curiosos, provoquei diálogos de passageiros sobre bicicleta, peguei olhares atentos na Amarilda. Espero ter incentivado um ou dois a pelo menos pensar em levar a bicicleta nas suas viagens.

3 comentários:

Pedalante disse...

Iglou,

- Várias vezes, vi outras bicicletas presas nas grades. Na terça, escutei os orientadores da empresa do terminal , comentando que alguém tinha deixado uma bike, na grade sem cadeados, fui observar, é era verdade. Logo depois( pouco menos de 3 min), o dono surge, e feliz, sai com ela a pedalar...
- Junto ao ponto de táxi, a entrada é em forma de rampa, melhor que a escada rolante e os elevadores...

iglou disse...

Oi, Pedalante

não sabia que vc era de Campinas, ou que ao menos conhecesse a rodoviária daqui. Obrigada pela dica da rampa. Quanto a prender a bike na grade, parece ser uma questão de sorte ser deixado em paz ou abordado por alguém.

Pedalante disse...

Iglou,

Sou de São Paulo. Trabalho em Campinas, 2 a 3 dias, dependendo do semestre.

Feliz 2009