sábado, 12 de julho de 2008

Cartas à Oca

Começou por volta de 2003. Meu irmão e eu íamos fazer uma viagem maluca de carro até Recife. Nossos pais ficaram preocupados, nossa vó duvidou de nossa boa saúde mental, nossos amigos desacreditaram. Para tranqüilizá-los todos, prometemos mandar cartões postais todo dia.
Demoramos quatro dias pra chegar de Campinas a Recife, ficamos três dias em Recife e precisamos de mais três dias para voltar pra Oca. De algumas cidades no trajeto, só conhecemos uma agência de banco, um restaurante, um posto de gasolina e uma agência dos Correios. Os cartões postais não chegaram a tempo, mas deram a alguns de seus destinatários a sensação de que estavam nos acompanhando.
Adotei o hábito de mandar cartões postais, especialmente quando viajo sozinha. Assim, o meu diário de viagens fica diluído por aí, na casa da minha vó, dos meus pais, da Olga e na Oca. Na Oca, temos uma coleção de cartões postais. Alguns se perderam, no decorrer dos anos, mas acho que isso é normal numa república. Vamos ao inventário:
dezembro de 2004 - Ferrone de Granada
maio 2005 - Lígia de Belo Horizonte e outro de Brasília
outubro 2005 - eu de Diamantina
julho 2006 - eu de Paraty
novembro de 2006 - eu de Amsterdam
janeiro de 2007 - eu de Barcelona
fevereiro de 2007 - eu de Dublin
maio de 2007 - eu de Grenoble e depois de Lucca

É interessante comparar os destinatários destes 3 remetentes.
Os dois postais da Lígia são endereçados à antiga Oca da Tapioca. A Oca continuou sendo Oca, mesmo depois que a Lígia deixou de morar nela. Talvez ela se referisse, por uma operação de metonímia, aos moradores mais antigos da Oca.
Ferrone toma a si mesmo como ponto de referência, endereçando o seu postal à Ex-república do Ferrone. Não é preciso comentar que seu umbigo é o centro do universo.
Pequena Lou endereçou cinco postais à Oca da Tapioca, super sóbrio, mas aquele postado em Amsterdam foi aos meus irmãos, e o que foi postado em Barcelona foi à Família Tapioquensis. É assim que se manifesta a minha saudade de casa...

2 comentários:

Ana Luisa disse...

Oi Lou. me chamo Ana Luisa. tb ando muito de bike e sou a fazer de usá-la como meio de transporte. adorei seu blog. pode apagar este comentário que está em lugar errado, né? sou de barão tb.beijinhos. manda seu e-mail.

iglou disse...

Bom dia, Ana Luisa
que bom saber que também há mulheres pedalando por aí. Me escreva, sim, pra gente marcar algum passeio: iglou.yuhu @ gmail. com

abraço.