segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Natal Luz

De dia, era possível perceber a cidade se preparando para o Natal. Os turistas já estavam presentes, entupindo as ruas, lotando os estacionamentos, calçadas e lojas. Achar lugar para estacionar sua caixa de metal automotora era uma longa frustração.
Como todo ano desde muito tempo, acontece o desfile de Natal. Não é uma antecipação do carnaval, mas Joãozinho Trinta já foi contratado pra estilizar uns anjos. A galera compra ingressos por mais ou menos 40 pila, senta nas arquibancadas da avenida e vê um monte de renas, anjos e Papais Noéis passando ao som de soprano gritando músicas natalinas. Todo ano é diferente, mas é sempre a mesma coisa.
Desfile de Natal prestes a começar. Nós nos sentamos num bar e pedimos 3 cervejas e um chocolate quente.

Grande parte da decoração natalina é de material reciclado para tal fim. O resultado é uma cidade cheia de plásticos pendurados em tudo quanto é canto. Tem gente que se encanta com isso. Mas gosto não se discute, se impõe. Árvore cantante. Na frente dela é que um coral de crianças bontinhas se empilha pra cantar.
Breguice no meio da rua.

Termômetro que marca a temperatura em Fahrenheit e Celcius. Outra breguice de Gramado.
Começou pelas vacas pintadas espalhadas pelas grandes cidades. Aqui temos renas. Bah...
Uma multidão se juntou na rótula central na noite de 25 de dezembro, esperando dar 21:00. Naquela hora, as luzes da árvore se acenderam paulatinamente, e as luzes de toda a decoração natalina da cidade foram acendendo gradativamente, num crescendo com a música que saía dos alto-falantes espalhados na avenida principal.
Sim, não dá pra ouvir aqui, mas é fato que na avenida principal há caixas de som a cada não sei quantos metros, tocando músicas natalinas em várias línguas. A distância entre as caixas de som é tal que uma pessoa que se desloca na Borges de Medeiros não deixa nunca de ouvir o som. Não sei se desligam as caixas de noite.

Nenhum comentário: